Comoção Fiéis pedem permanência de pároco Arquidiocese anunciou a transferência do padre Deyvson da Igreja de Casa Forte para a Igreja do Janga

Por: Gustavo Carvalho - Diario de Pernambuco

Publicado em: 06/01/2019 09:57 Atualizado em: 06/01/2019 11:01

Padre Deyvson substituiu o padre Edwaldo Gomes em 2017. Foto: Ricardo Fernandes / DP
Padre Deyvson substituiu o padre Edwaldo Gomes em 2017. Foto: Ricardo Fernandes / DP
Fiéis e moradores de cinco comunidades próximas à Paróquia de Casa Forte, situada no bairro de mesmo nome, na Zona Norte do Recife, pretendem reivindicar, na próxima quarta-feira, às 11h, na Arquidiocese de Olinda e Recife, junto ao arcebispo dom Fernando Saburido, a permanência do padre Deyvson Soares, atual pároco da Igreja Matriz de Casa Forte. Desde a morte do padre Edwaldo Gomes, em julho de 2017, que esteve à frente da paróquia por 47 anos, os fiéis contam com a presença do padre Deyvson, que já acompanhava o trabalho do padre Edwaldo. O anúncio da saída dele para uma paróquia do bairro do Janga, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, surpreendeu os fiéis que querem sensibilizar o arcebispo para que o religioso permaneça em Casa Forte.  

O grupo com mais de 150 pessoas vai aproveitar uma audiência já agendada com o arcebispo para tratar de problemas no templo e entregar também um abaixo-assinado como forma de dimensionar o sentimento de tristeza com a transferência do religioso. Karina Regis, 35 anos, cresceu frequentando a Igreja de Casa Forte. Segundo ela, o movimento não pretende ofender ou desacatar o arcebispo, e sim mostrar o carinho dos fiéis com o padre Deyvson após a perda dolorosa do falecimento do padre Edwaldo. “O movimento é de gratidão e amor por tudo que o padre fez na paróquia depois de  substituiu padre Edwaldo, que faleceu”, contou. 

Dona Cida, 49 anos, é síndica de um condomínio situado na comunidade Lemos Torres, bem próximo à paróquia, e há 26 participa das missas realizadas no local. “A transferência dele aconteceu antes da marcação da audiência. Caso ele saia, a comunidade é capaz de fazer uma grande mobilização. Ele nos deu muito apoio. Durante a missa, ele disse que queria ficar conosco”, relatou. A redação do Diario de Pernambuco não conseguiu contato com o padre Deyvson Soares. 

Segundo a Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Olinda e Recife, as mudanças ocorrem, em primeiro lugar, de acordo com a necessidade da Congregação em cada momento. Também procura-se ver as características de cada comunidade e as qualidades pessoais de cada sacerdote. Ainda de acordo com a instituição, as mudanças ajudam a evitar a acomodação, trazendo oportunidade de crescimento com os novos desafios. 

SAUDADE
Além do trabalho religioso, padre Edwaldo gostava de ajudar os pobres e criou a Creche Beneficente Menino Jesus para acolher as crianças de mães que trabalham fora. Outra criação dele é a Casa da Criança Marcelo Asfora, que oferece reforço escolar e assistência médica e psicológica. Ficou conhecido por ações sociais desenvolvidas em comunidades da região, sendo a principal delas a realização da Festa da Vitória Régia.

“Era uma pessoa que não apenas pregava, mas sim colocava em prática o que defendia. Os últimos dois meses que passei com ele foram marcantes para mim. Tudo que sou como ser humano devo a ele”, contou Emília Gomes, sobrinha do padre Edwaldo Gomes. “A atenção que ele tinha com o próximo era algo inexplicável. Me sinto honrada em ter passado os últimos momentos com ele. Isso me mexe até hoje”, esclareceu Laucidea Gomes, irmã do sacerdote falecido.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.