POLÍCIA Preso trio suspeito de assassinar mãe que defendeu o filho, em Rio Doce O caso foi registrado pela Força Tarefa e será encaminhado para o delegado Augusto Cezar, da 9ª DPH.

Publicado em: 26/12/2018 12:50 Atualizado em: 26/12/2018 13:24

Foto: Divulgação/policia civil
Foto: Divulgação/policia civil
A Polícia Civil de Pernambuco prendeu em flagrante três suspeitos pelo crime de homicídio de Maria Duarte Bezerra, 49, ocorrido na manhã da última terça (25) no bairro de Rio Doce, Olinda. Foram eles Anderson da Silva Salustiano, 29, Jamerson Vernildo da Silva, 38, e Júlio Jose da Silva Cavalcanti, 30. Segundo informações iniciais,as vítimas foram surpreendidas pelos autores que efetuaram disparos de arma de fogo com o objetivo de atingir um dos jovens de 18 anos, filho da vítima fatal. Acabaram, entretanto, atingindo todo o grupo. O caso foi registrado pela Força Tarefa e será encaminhado para o delegado Augusto Cezar, da 9ª DPH.

Ainda não se sabe a motivação do crime e várias são as versões para o fato. A Polícia Militar foi chamada para a ocorrência por volta das 7h, na Rua Sessenta e Nove, na quarta etapa de Rio Doce. As primeiras informações eram de que a mulher estava bebendo com parentes e amigos, quando um dos filhos dela, um rapaz de 18 anos, teria entrado em discussão com outro homem, que teria efetuado o disparo. Na tentativa de salvar o filho, Maria teria se jogado com cima do rapaz e, por isso, teria sido alvejada. Os estilhados da bala também atingiram as costas e o braço de um adolescente de 16 anos, amigo da família.

%u201CQuando chegamos lá, a mulher já estava em óbito e havia um rapaz pedindo socorro, que havia sido alvejado com estilhaços da munição. Botamos ele na viatura para socorrer, mas chegando na Avenida Fagundes Varela encontramos uma viatura do Samu e o transferimos para ela%u201D, afirmou o 2º sargento do 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM) Paulo Roberto. A vítima foi levada para o Hospital da Restauração (HR).

De acordo com o sargento, as informações iniciais eram de que três homens estariam envolvidos no crime. %u201CDisseram que dois suspeitos fugiram em uma moto e um estaria no conjunto habitacional %u2018Bole Bole%u2019. Ao chegar lá, encontramos as mulheres de dois deles. Mas uma delas ficou dizendo que não morava lá, atrapalhando o trabalho da polícia, enquanto o marido fugia%u201D, contou. As mulheres, identificadas como Fabíola Rebeka de Lima, 18 anos, e Rosângela Joaquim da Silva, 32, foram levadas para prestar esclarecimentos à polícia.

No Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), acabaram detidas depois que um dos filhos de Maria Bezerra confirmou que elas estavam na cena do crime. Elas foram detidas em flagrante por obstrução ao trabalho da polícia, tentativa de homicídio e homicídio. %u201COuvimos mais de sete pessoas e aqui surgiu uma nova informação de que uma das vítimas teria envolvimento com o tráfico de drogas. Uma testemunha também disse que elas estavam no local do crime%u201D, afirmou o delegado de plantão no DHPP Alaumo Lima.

Segundo a filha mais velha de Maria, a auxiliar administrativa Marília Bezerra, 32, a mãe tinha saído de casa com o filho de 18 anos para beber na casa de um amigo. No caminho, eles teriam encontrado os três suspeitos brigando com outra pessoa. %u201CEles perguntaram o que ocorreu, mas seguiram. Foi quando meu irmão ouviu o disparo e já viu minha mãe caída. Aí ele correu. Não tem explicação, não sabemos o que pode ter motivado. Eram todos conhecidos%u201D, contou.

De acordo com ela, a mãe era uma pessoa muito tranquila. %u201COntem (noite de Natal), brincamos muito. Quando saí da casa dela, disse que se ela precisasse, era só ligar. Hoje, aconteceu isso. Estamos perdidos, sem chão. Nunca pensei em ver minha mãe no chão daquele jeito, como se fosse uma bandida, algo que ela nunca foi%u201D, disse. O filho de 18 anos, cuja mulher está grávida de oito meses, viu todo o ocorrido. O primeiro a chegar na cena foi o caçula de Maria, de 14 anos, que brincava em um parque próximo e ouviu o disparo. Os três suspeitos permanecem foragidos. As investigações ficarão à cargo do DHPP.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.