Passageiros Cerca de 90 mil pessoas devem passar pelo TIP nas festas de fim de ano Número é 30% maior do que no ano passado. Crise econômica pode ser motivo do aumento na procura pelo ônibus

Por: Anamaria Nascimento

Publicado em: 24/12/2018 14:20 Atualizado em: 24/12/2018 14:34

Os principais destinos dos passageiros do TIP são Caruaru, Gravatá e Garanhuns. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Os principais destinos dos passageiros do TIP são Caruaru, Gravatá e Garanhuns. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Pelos corredores, rampas e plataformas de embarque e desembarque do Terminal Integrado de Passageiros (TIP), famílias, casais e viajantes solitários corriam apressados com malas e sacos de presentes nesta véspera de Natal. Muitos deixaram a viagem de fim de ano para a última hora e chegarão aos destinos no momento em que a ceia natalina estará sendo montada. Reecontrar a família ou amigos é o motivo número um entre os que saíam ou chegavam pela rodoviária do Recife nesta segunda-feira (24).

Nem sempre as despedidas e reencontros acontecem no destino final. Às vezes, as plataformas do TIP são palco de abraços apertados de quem não se via há muito tempo. Ali mesmo, os pacotes de presentes com embrulhos amassados são entregues. Foi o que aconteceu com Ivanildo Souza, 33, e a filha, Izabelle dos Santos, 9 anos, que se viram pela primeira vez no ano, após mais de 360 dias sem se encontrar pessoalmente. "O contato era só pelo celular, em ligações e chamadas de vídeo, mas nada disso substitui esse abraço", disse o operador de máquinas.

Para o período de fim de ano - de 21 de dezembro de 2018 a 2 de janeiro de 2019 - são esperados 90 mil passageiros, que representam um volume 50% superior ao número de usuários nos períodos normais. Os principais destinos são Caruaru, Gravatá e Garanhuns para as viagens intermunicipais. Natal, Fortaleza, João Pessoa e Campina Grande lideram entre os destinos intermunicipais. Mesmo com o aumento de fluxo, o movimento no local nesta segunda-feira foi calmo, indicando que muitos viajaram com antecedência.

No balanço de Natal e Ano Novo 2017/2018, a  Socicam - empresa que administra o terminal rodoviário - contabilizou cerca de 70 mil pessoas viajando pelo TIP, em um total de 52.317 embarques e 1,2 mil viagens. A crise econômica do país pode ser um dos fatores que explicam o aumento no número de passageiros neste fim de ano. Muitos brasileiros estão abrindo mão das viagens de avião para dar preferência às rotas rodoviárias. O preço das passagens de ônibus, geralmente menor do que o do setor aéreo, é um dos fatores determinantes para o aumento na procura pelos bilhetes rodoviários.

O Anuário do Transporte Aéreo 2017, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), apresentado em novembro deste ano, mostrou que a quantidade de voos domésticos e internacionais caiu 2,8% e 0,4%, respectivamente, em 2017 na comparação com o ano anterior. No geral, a quantidade de voos em 2017 foi 2,5% menor em relação a 2016, somando 940 milhões de operações. Contudo, em dez anos, observou-se um incremento de 23,1% no número de voos.

O reencontro de pai e filha
Ivanildo e a filha, Izabelle, só se encontram no Natal. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Ivanildo e a filha, Izabelle, só se encontram no Natal. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Izabelle dos Santos, 9 anos, sempre espera pelo Natal com ansiedade. Mas não é por uma roupa ou brinquedo novos que a menina aguarda. Dezembro é sinônimo de reencontro para a moradora de Igarassu, Região Metropolitana do Recife. É apenas nesta época do ano que ela revê o pai, o operador de máquinas Ivanildo dos Santos, 33, que mora em Aracaju (SE). Na noite desse domingo (23), ele saiu da cidade onde vive e percorreu 525 km para reencontrar a filha no TIP. Foram oito horas de viagem para abraçar a filha e embarcar em outro ônibus. Desta vez, fará o caminho inverso. Serão mais oito horas. "Essa volta é muito melhor porque já será com ela", diz.

Para a menina, que mora com a mãe, passar o Natal com o pai é concretizar os desejos de um ano inteiro. Pode revê os avós, tios e primos paternos, além de brincar com as amigas sergipanas. "A gente passa o mês todo juntos. Depois, só no próximo ano", conta a menina. "É a minha única filha. A saudade é grande, então o Natal sempre tem essa emoção a mais", completa o pai. 

Amizade como presente
As amigas Maesilly e Kássia vão passar o Natal em Caruaru. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
As amigas Maesilly e Kássia vão passar o Natal em Caruaru. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Para as amigas Maesilly Lima, 24, e Kássia Teixeira, 27, não é preciso trocar presentes. A amizade que nutrem já é o bem mais valioso que podem dividir. Neste ano, vão passar o Natal juntas pela primeira vez. Maesilly dediciu acompanhar a amiga na viagem para Caruaru, Agreste do estado, onde Kássia reencontra a família. Elas moram em Jaboatão dos Guararapes e frequentam a mesma igreja, a Batista de Jardim São Paulo. "Normalmente eu passo com a minha família, mas, desta vez, com menos compromissos na faculdade, resolvi passar um Natal diferente em Caruaru", afirma Maesilly.

Já Kássia está acostumava a passar pelo TIP antes do Natal. O destino é sempre Caruaru - o primeiro na lista de destinos intermunicipais do Terminal Rodoviário do Recife - onde a família mora. Da rodiviária à casa da mãe, são 155 km, percorridos em duas horas de viagem de ônibus. "É um Natal como o da maioria das famílias, com comida, conversas e troca de presentes", diz a estudante.          

Presença rara
Juvita Veras é pernambucana, mas mora no Rio de Janeiro. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Juvita Veras é pernambucana, mas mora no Rio de Janeiro. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
A dona de casa Juvita Veras, 67 anos, é pernambucana. Nasceu em São José do Egito, no Sertão do estado. Há 30 anos, porém, se mudou para o Rio de Janeiro, onde teve filhos. Todos vivem na capital fluminense. O sotaque já é mais carioca do que nordestino. "Costumo passar o Natal no Rio, em São Paulo ou em Brasília, com meus filhos, mas neste ano será diferente", revela. Em 2018, ela decidiu embarcar com o marido para o Recife. Da capital pernambucana, seguiu na manhã da véspera de Natal para Caruaru. 

A cidade do Agreste será o local de reencontro da família. Há seis meses, Juvita não reencontrava os parentes. Uma delas, a mãe - Francisca, de 92 anos -, em especial, aguarda a visita da filha. "Sou muito privilegiada por ainda ter a minha mãe. Ela está muito velhinha. Queria aproveitar para passar o Natal com ela", afirma. "Tem ainda meus sobrilhos, irmãos, cunhados. A saudade é grande", completa.  

Amor a mil quilômetros de distância
O casal Higor Pereira e Thayse da Silva se reencontrou após três meses. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
O casal Higor Pereira e Thayse da Silva se reencontrou após três meses. Foto: Camila Pifano/Esp.DP.
Ele mora no Cabo de Santo Agostinho, na Região Metropolitana do Recife. Ela, em São Luís, capital do Maranhão. Juntos há quatro anos, Higor Pereira, 21 anos, e Thayse da Silva, 25 anos, não se viam há três meses. Desempregado e sem perspectiva de conseguir um trabalho no Maranhão, Higor se mudou para Pernambuco em busca de uma chance no mercado local. Imaginava que o Complexo Industrial e Portuário de Suape estava contratando. Chegou por aqui, mas não conseguiu uma vaga. Ainda em busca de um emprego, ia passar o Natal longe da namorada, que decidiu viajar para reencontrá-lo.

Thayse saiu de São Luís com destino a Teresina (PI). De lá, embarcou para o Recife. Percorreu 1,1 mil km para encontrar o amado. "Estávamos há três meses distantes. É difícil, mas vamos aproveitar agora que estamos juntos", diz ela. Quando desembarcou, a maranhense encontrou Higor e uma prima dele, Ítala Nayane, de 16 anos. "Ele tinha dito que você era bem alta", comentou Ítala, rindo, ao conhecer a namorada do primo.  


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.