dp nos municípios Um olhar histórico pelas ladeiras de Olinda O projeto City Tour traz como atrativo o saber do pesquisador Nelson Souto Maior Filho, que oferece aos visitantes o conhecimento do lugar e das pessoas

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 21/12/2018 08:59 Atualizado em:

Há 33 anos Nelson mergulha na memória oficial e não oficial da cidade de Olinda. Foto: Gabriel Melo / Esp. DP
Há 33 anos Nelson mergulha na memória oficial e não oficial da cidade de Olinda. Foto: Gabriel Melo / Esp. DP
Imagine poder visitar um lugar histórico e ter, como guia, uma memória viva do lugar? É assim que turistas serão recebidos no Sítio Histórico de Olinda. Desde o início deste mês de dezembro, a Cidade Alta passou a receber o projeto City Tour com Nelson, quando os visitantes são ciceroneados pelo pesquisador em história Nelson Souto Maior Filho, que há 33 anos mergulha na memória oficial e não oficial de Olinda. A princípio, o produto está sendo oferecido sob demanda, ou seja, é preciso agendar com Nelson através de operadoras de turismo. Mas a ideia da Prefeitura de Olinda é que com a divulgação o produto seja ofertado de forma regular e diária.
De acordo com o secretário de Patrimônio, Cultura, Turismo e Desenvolvimento Econômico de Olinda, João Luiz, o city tour pode ser realizado a partir de duas pessoas. O tíquete custa R$ 40 (individual), R$ 140 (para grupos de quatro pessoas) e R$ 30 (para grupos a partir de dez). Mesmo sob demanda, a saída acontece sempre às 15h, com concentração às 14h45, em frente à Casa do Turista, nos Quatro Cantos de Olinda. “O City Tour com Nelson se tornou um passeio oficial da Cidade Alta a pé e personalizado, num percurso de nove paradas, com duração de cerca de duas horas”, explica. Os interessados podem comprar os tíquetes no Receptivo Turístico localizado na Estação Maxambomba, na Pousada do Amparo, na Estação Quatro Cantos, no Naylê Comedoria, na Pousada Quatro Cantos, no Hotel 7 Colinas, no Hotel Pousada São Francisco, no Hostel Canto dos Artistas e no Ateliê Café Beijupirá.

A princípio, os passeios estão sendo realizados apenas na língua portuguesa. Mas, a partir de janeiro, a prefeitura através de parceria com a Associação dos Condutores Nativos de Olinda (ACNO), poderá oferecer tradutor para outros idiomas quando houver demanda. “Em cada parada, tem um acervo histórico a ser conhecido pelos visitantes. Vou contar detalhes dos 500 anos de história de Olinda, que é uma cidade moura. Só nos Quatro Cantos, são cinco histórias para contar sobre esse ponto da Cidade Alta. Para que as pessoas possam memorizar tudo o que foi dito durante o passeio, elas receberão um mapa específico do passeio e um souvenir. E se os turistas se interessarem em se aprofundar na história, eu posso dar referências bibliográficas”, afirma o pesquisador Nelson Souto Maior Filho, que já leu mais de três mil páginas sobre os 500 anos de Olinda, entre elas toda a coleção do escritor e pesquisador Evaldo Cabral de Melo. “Leio um livro por mês”.
 
1. Quatro Cantos
O passeio começará neste ponto. O local é conhecido como “Encruzilhada dos Mercadores” e primeira “Bolsa de Valores das Américas”, onde comerciantes trocavam moedas no meio da rua. Até hoje, mantém características comerciais, e é epicentro do carnaval.
 
2. Mercado da Ribeira  
Muitos acreditam que este mercado foi construído para servir de local de comércio de escravos. Segundo Nelson, a Ribeira, como é conhecido pelos moradores, foi um ponto de venda de frutas e verduras, tal como qualquer mercado.
 
3. Prefeitura de Olinda
É o antigo Paço dos Governadores Gerais do Brasil. Foi construído no século 17, após a Restauração Pernambucana, de onde o país foi três vezes governado. O local é também cenário para polo de carnaval.      
 
4. Mosteiro e basílica de São Bento 
A construção do complexo arquitetônico barroco remonta aos primeiros tempos da colonização portuguesa no Brasil. O conjunto é considerado um dos tesouros da arquitetura pernambucana, pelos seus ornamentos. 
 
5. Rua 27 de Janeiro
É uma das ruas mais disputadas do Carnaval de Olinda, onde fica a sede da Troça Carnavalesca Mista Pitombeira dos Quatro Cantos. No fim da 27 de Janeiro, o turista encontra o sobrado mourisco, que já hospedou Dom Pedro II e a Imperatriz Tereza Cristina.  
 
6. Praça do Carmo
Também conhecida como Praça da Preguiça, por já ter abrigado alguns animais dessa espécie. Possui um coreto de ferro fundido, de procedência escocesa. Está às margens de uma das mais altas colinas de Olinda, onde foi construída a Igreja do Carmo, um dos templos católicos.
 
7. Convento de São Francisco 
Foi o primeiro convento da Ordem dos Franciscanos a ser construído no Brasil, em 1585. O conjunto arquitetônico inclui a Igreja Nossa Senhora das Neves, a Capela de São Roque, o claustro e a sacristia com 16 painéis de azulejos portugueses.
 
8. Seminário de Olinda 
Foi o principal centro formador de revolucionários liberais, sobretudo nas revoluções pernambucanas de 1817 e 1824. O Seminário da Arquidiocese foi precursor no ensino de disciplinas como Retórica e Ciências Naturais. 
 
9. Catedral da Sé
É considerada a mais importante igreja católica de Olinda. Sede do bispado, abriga os restos mortais de Dom Hélder Câmara. Nas capelas laterais, ainda existem remanescentes da decoração com azulejos portugueses, alguns painéis pintados e elementos em talha.  


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.