desenvolvimento urbano Câmara do Recife dá início à revisão do Plano Diretor da cidade Documento, que é revisto a cada 10 anos, rege as diretrizes de desenvolvimento urbano do município. Plano já havia sido submetido a consulta popular na primeira semana de dezembro

Publicado em: 18/12/2018 18:46 Atualizado em:

Debates com a população foram realizados ao longo de seis meses, culminando com a Conferência Municipal do Plano Diretor - Foto: Wesley D'Alemida/PCR/Divulgacao
Debates com a população foram realizados ao longo de seis meses, culminando com a Conferência Municipal do Plano Diretor - Foto: Wesley D'Alemida/PCR/Divulgacao
A Câmara Municipal do Recife iniciou, nesta terça-feira (18), sua revisão do Plano Diretor da capital pernambucana. O documento, que precisa ser revisto a cada 10 anos, rege as diretrizes de desenvolvimento urbano do município, desde sua ocupação, passando pelas questões de mobilidade e ambiental, até a definição de zonas de interesse humano. Na prática, é o instrumento que planeja e dita como a cidade deve crescer, considerando as mudanças do contexto tecnológico, a preservação da memória e a garantia de moradia e lazer dos moradores.

O Plano Diretor do Recife já havia passado por uma discussão popular, com representantes da sociedade. A etapa final aconteceu no último dia 5, a Conferência Municipal do Plano Diretor, ouvindo propostas dos recifenses para a revisão do documento. Entre as 103 proposições votadas e aprovadas na assembleia, está a ampliação da área de 21 Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) e a criação de mais uma na Comunidade do Pilar, localizada no Bairro do Recife.

Na Câmara, uma comissão especial vai conduzir os trabalhos de modernização do dispositivo legal. Serão escolhidos 7 vereadores, entre eles um relator, que deverão apresentar a versão final do texto e submetê-lo à votação em plenário. O requerimento para a formação da comissão foi do vereador Rodrigo Coutinho (Solidariedade). Pelo regimento, o mandatário se tornará presidente do grupo de trabalho instaurado para conceber o documento.

"Já discuti com os colegas sobre a necessidade de termos um grupo de trabalho plural, que represente as diversas forças da sociedade. Se teremos representante da iniciativa privada e do setor construtivo, é importante que tenhamos também representante dos movimentos sociais e coletivos recifenses. O plano que sairá desta Casa será o que melhor corresponda ao tipo de crescimento que a cidade e seus moradores desejam para a próxima década", declara Coutinho. O parlamentar também preside a Comissão de Planejamento Urbano e Obras e integra a Comissão de Acessibilidade e Mobilidade Urbana na Câmara.




 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.