Complexo de Itaquitinga Prisão receberá detentos de alta periculosidade União e governo estadual firmaram convênio para federalização de unidade no Complexo de Itaquitinga

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/12/2018 09:18 Atualizado em:

Raul Jungmann destacou que serão investidos R$ 50 milhões na estrutura. Foto: Camila Pifano/Esp. DP
Raul Jungmann destacou que serão investidos R$ 50 milhões na estrutura. Foto: Camila Pifano/Esp. DP
A Unidade 3 do Centro Integrado de Ressocialização de Itaquitinga,  na Zona da Mata, que será construída pelo governo federal, vai receber apenas presos de alta periculosidade, sejam de Pernambuco ou vindos do sistema federal. A informação foi divulgada ontem pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, durante solenidade na qual o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, firmou a doação do terreno da futura prisão à União.

A partir de agora, serão gastos R$ 50 milhões para concluir as obras. A unidade está 40% pronta e terá capacidade de receber cerca de 300 detentos. Será o primeiro presídio federalizado de segurança máxima de Pernambuco e o sexto do país.  A previsão é de que seja entregue até o começo do segundo semestre de 2019.

O espaço contará com escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (Onups), que opera nas garantias de assistência humanitária, desenvolvimento, paz e segurança em todo mundo. Pernambuco será o primeiro estado a contar com a instituição em uma unidade prisional. A parceria pode acelerar as obras, já que o presídio seguirá um modelo que pode ser construído em pelo menos seis meses. 

“Serão R$ 47 milhões, podendo chegar até R$ 50 milhões para a construção da unidade. Terá a presença da ONU, nos moldes internacionais de segurança máxima, podendo receber os maiores líderes de facções criminosas de Pernambuco e eventualmente do país. Não resolve o problema, mas é um passo importante para segurança do estado”, comentou o ministro.

O anúncio acontece em meio a uma crise no sistema prisional brasileiro, com crescimento de 8% ao ano da população carcerária. O país tem atualmente 726 mil presos e o déficit chega a 368 mil vagas.

A primeira unidade do Centro Integrado foi inaugurada em julho, com capacidade para até mil reeducandos, mas atualmente abriga 240. A segunda deve ficar pronta em fevereiro de 2019 e também terá capacidade para mil presos. O projeto contempla cinco unidades. As outras duas ainda serão licitadas e devem ser entregues nos próximos três anos. Só a 3 será federalizada.

De acordo com Paulo Câmara, a parceria com a União foi fundamental para concluir mais uma etapa do presídio, que poderá receber presos de penitenciárias superlotadas. “Pernambuco tinha 12 mil vagas em 2015 e estamos chegando a 18 mil vagas até o fim de 2019”, disse. Também foi anunciada ontem a liberação de R$ 11,5 milhões a um consórcio de 10 municípios de Pernambuco para serem investidos na segurança.

Compaz
Na mesma solenidade foi assinada parceria entre o ministério e a Prefeitura do Recife para construir de mais três Centros Comunitários da Paz (Compaz). As obras vão custar R$ 18 milhões e contemplarão os bairros do Pina, Ibura e Várzea. Atualmente há duas unidades em funcionamento.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.