imunização Vacina antirrábica para humanos estará disponível a partir desta terça-feira A oferta foi concentrada na Policlínica Lessa de Andrade, na Estrada dos Remédios, na Madalena

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/12/2018 09:15 Atualizado em:

Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP
Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP
Depois de duas semanas sem abastecimento de vacina antirrábica para humanos, o Recife disponibiliza, a partir de hoje, o produto. A oferta foi concentrada na Policlínica Lessa de Andrade, na Estrada dos Remédios, na Madalena. Pessoas de outros municípios que também enfrentam a falta da vacina, podem receber a primeira dose na unidade, mas a continuidade do tratamento deve ser feita na cidade de residência. O soro está com a oferta normalizada, mas somente ele não é o suficiente para evitar a contaminação pela raiva após a mordida de um cão, gato ou morcego infectados.

Chegaram, ao todo, 750 doses. No entanto, como o produto estava faltando e já havia pessoas na fila para receber a vacina, sobraram 280 doses para os casos que chegarem a partir de hoje. Calcula-se cerca de 500 usuários no Recife, sendo 30% vindos de outras cidades pernambucanas. Diante da baixa quantidade, não se sabe até quando haverá a disponibilidade no Lessa de Andrade.

O repasse para os municípios é feito via governo do estado, que, por sua vez, recebe o produto do Ministério da Saúde. A Nota Informativa 221/2018, do governo federal explica que, em todo o mundo, somente dois produtores da vacina são certificados e recomendados pela Organização Mundial de Saúde para fornecimento do imunobiológico. “No entanto, devido a contratempos operacionais, somente um dos produtores terá capacidade de atender a demanda mundial, tendo como consequência uma redução anunciada do imunobiológico para vários países”, diz o informativo.

Eliane Germano, diretora de assistência à Saúde da Prefeitura do Recife, disse que, diante da situação, é importante a pessoa que foi mordida tentar manter a observação do animal que atacou por dez dias. Isso porque, explicou, o tratamento pode ser reduzido, ou seja, ter menos doses, e trazer menos efeitos colaterais para o paciente caso o animal não apresente sintomas de raiva no período. Alguns sinais de alerta são o desaparecimento do animal ou observar se ele saliva mais, está muito irritado ou reativo à água. Eliane também alerta para a necessidade de manter a vacinação em dia dos animais domésticos.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, por mês o estado precisa receber em torno de 10 mil doses da vacina. “Contudo, Pernambuco recebeu do Ministério da Saúde, em 2018, apenas 80,7 mil doses”, diz nota enviada pela assessoria de imprensa.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.