julgamento 'Tinha medo dele', afirma acusada de canibalismo, em julgamento 'Pedi ajuda a Isabel varias vezes para fugir, mas ela tinha medo dele', comentou Bruna sobre Jorge, homem que fazia parte do trio de canibais

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 14/12/2018 17:02 Atualizado em:

Bruna Cristina Oliveira Isabel Cristina são acusadas de matar e praticar canibalismo - Fotos: Léo Malafaia/Esp.DP
Bruna Cristina Oliveira Isabel Cristina são acusadas de matar e praticar canibalismo - Fotos: Léo Malafaia/Esp.DP
Encerraram-se, no final da tarde, os depoimentos de Isabel Cristina Pires da Silva e Bruna Cristina Oliveira da Silva, na 1ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, no Fórum Desembargador Rodolfo Aureliano, Ilha Joana Bezerra, no Recife. Ambas são acusadas, junto a Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, de matar e praticar canibalismo em Garanhuns, no Agreste pernambucano, em 2012. Agora começam os debates.

Isabel, presa há quase sete anos, negou ter participado dos assassinatos. Ela confessou ter se alimentado com a carne das vítimas por ter medo de jorge. Disse , ainda, que na hora dos crimes, estava na casa da irmã e, quando voltava, a casa estava arrumada, sem qualquer sinal de homicídio. Segundo Isabel, Jorge matava as vítimas sozinho.

Em seu depoimento, Bruna também disse ter muito medo de Jorge, com quem viveu dos 16 aos 25 anos. Ele proibia ela de estudar, trabalhar, sair só. Disse ter tentado fugir, mas ele descobriu e espancou ela. Também ameaçava atacar a família dela, do Rio Grande do Norte, caso ela tentasse algo contra ele. 

Segundo Bruna, sua participação nos crimes era limpar o local. Também negou que as coxinhas foram confeccionadas com carne humana. “Pedi ajuda a Isabel varias vezes para fugir, mas ela tinha medo dele”, comentou Bruna.

O julgamento teve início na manhã desta sexta-feira (14), presidida pelo juiz Ernesto Bezerra Cavalcanti, e tem previsão para se encerrar na madrugada deste sábado (15). Jorge foi o primeiro a depor sobre as mortes de Alexandra da Silva Falcão, 20 anos, e Gisele Helena da Silva, 31 anos. 

Durante toda a manhã, o acusado respondeu a perguntas feitas pelo juiz Enersto Bezerra Cavalcanti, pelo promotor André Rabelo, além das defesas dele e das outras duas acusadas, Isabel Cristina Pires da Silva e Bruna Cristina Oliveira da Silva.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.