Caso Beatriz TJPE decreta prisão de homem que teria apagado as imagens no caso Beatriz Funcionário da escola onde a menina foi encontrada morta, Alison Henrique teria apagado as imagens das câmeras de segurança. Crime ocorreu em dezembro de 2015 e ainda não tem conclusão

Por: Geraldo Rodrigues

Por: Bettina Novaes Ferraz

Publicado em: 12/12/2018 14:05 Atualizado em: 12/12/2018 21:52

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decretou, na manhã desta quarta-feira (12), a prisão preventiva de Alison Henrique, funcionário da escola onde a menina Beatriz Mota foi encontrada morta, em dezembro de 2015. A criança de 7 anos levou mais de 40 facadas durante uma festa no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão do estado. Ela estudava na instituição, onde o pai também era professor.

Alison Henrique prestava serviços de informática à escola. A delegada Polyanna Neri, responsável pelo caso, conta que o funcionário apresentava várias desculpas para não entregar o material à polícia. "Marcava um dia, marcava outro, até que chegou o dia da apreensão de todo o aparelho e aí descobriu-se que tinha sido apagado", explica a delegada. 

 

Considerado foragido pela polícia, Alison Henrique já havia sido interrogado sobre o desaparecimento das imagens, negando ter apagado os registros que mostrariam o assassino de Beatriz. "Nós estamos com mandado (de prisão) em mãos. Temos duas equipes à procura dele", esclarece Polyanna, que revela, ainda, ter mantido contato com um familiar de Alison, em busca de pistas sobre o seu paradeiro, mas sem sucesso. 

 

A polícia espera, com isso, avançar no inquérito do caso, que já dura três anos. "Essa preventiva é um recomeço para tudo. Nós vamos trabalhar tudo novamente para encerrar todas as linhas de investigação", conclui a delegada.

 

De acordo com a polícia, outra funcionária da escola também teria acesso às câmeras de segurança da instituição, mas sua identidade foi preservada, uma vez que as investigações correm em segredo de Justiça. 


Preventiva decretada
Em sessão que teve início às 09h e terminou por volta das 12h30, o TJPE formou maioria (3x1) e decretou, por obstrução de justiça, a prisão preventiva de Alison, que teria apagado as imagens do circuito interno das câmera de segurança. A votação aconteceu após protesto da família de Beatriz Mota, em frente à sede do TJPE, bairro de Santo Antônio, centro do Recife. 


Denúncia
Em março do ano passado, a Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia chegou a oferecer R$ 10 mil de recompensa para quem tivesse informações sobre a localização do homem. A delegada Gleide Ângelo, eleita deputada estadual, foi nomeada para cuidar do caso, mas se afastou por conta da candidatura à Assembleia Legislativa.

Imagens do assassino feitas com câmeras de videomonitoramento - Foto: Polícia Civil/Divulgação
Imagens do assassino feitas com câmeras de videomonitoramento - Foto: Polícia Civil/Divulgação


Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545

 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.