saúde Médicos do Recife seguem de greve há quase 50 dias A greve foi decretada no dia 20 de setembro, em assembleia, onde os médicos denunciaram falta de medicamentos, insegurança e más condições de estrutura de trabalho

Publicado em: 08/11/2018 16:30 Atualizado em:

Categoria pede, ainda, realização de concurso público para ampliar o quadro de profissionais de saúde - Foto: Simpe/Divulgação
Categoria pede, ainda, realização de concurso público para ampliar o quadro de profissionais de saúde - Foto: Simpe/Divulgação
Os médicos da rede municipal de saúde do Recife estão em estado de greve há quase 50 dias. Em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), nesta quarta-feira (7), a categoria decidiu seguir com o movimento por tempo indeterminado, alegando falta de "medidas efetivas e diálogo concreto por parte da prefeitura. 

A greve foi decretada no dia 20 de setembro, em assembleia, onde os médicos denunciaram falta de medicamentos, insegurança e más condições de estrutura de trabalho. Eles pediram, ainda, realização de concurso público para ampliar o quadro de profissionais de saúde, que foi prometido mas não cumprido pela Prefeitura do Recife.

Outra deliberação da última AGE foi a realização de uma visita ao prédio da Prefeitura do Recife para protocolar um pedido de audiência com o prefeito. 

“A PCR alega na grande mídia que está aberta ao diálogo e nós estamos buscando-o de todas as formas. Já emitimos carta aberta, por meio de nota oficial, ofício, reiteramos o pedido na mídia, mas nada adiantou até o momento. Infelizmente, não podemos mais esperar para mostrar ao senhor prefeito os graves motivos que nos mantém em greve. Queremos voltar aos nossos postos, mas precisamos das ações por parte da prefeitura para que isso aconteça, pois - do jeito que está - não temos nenhuma condição”, explica o presidente do Simepe, Tadeu Calheiros.

A ação será realizada por volta das 11h30. Uma nova AGE da categoria será realizada na próxima terça-feira (14), a partir das 9h, na sede do Simepe.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.