Premiação Diario vence prêmio internacional de jornalismo sobre segurança digital Jornal foi um dos vencedores do Prêmio Eset de Jornalismo 2018, junto a veículos da Colômbia e do Chile.

Publicado em: 01/11/2018 16:36 Atualizado em: 01/11/2018 17:06

Foto: Marlon Diego/Esp.DP (Foto: Marlon Diego/Esp.DP)
Foto: Marlon Diego/Esp.DP

O Diario de Pernambuco foi um dos vencedores da 11ª edição do Prêmio ESET de Jornalismo de Segurança Cibernética. O jornal foi o vencedor da categoria digital, com a reportagem “Mulheres são o principal alvo de agressões e difamações na internet”, da repórter de Local Alice de Souza. O prêmio, cuja finalidade é reconhecer o trabalho e dedicação daqueles que difundem informações, visando a conscientização dos usuários a respeito da segurança digital, é disputado por trabalhos jornalísticos de toda a América Latina.

Leia a reportagem vencedora

Publicada no dia 29 de junho deste ano, a reportagem vencedora mostrou que, em todo o Brasil, estima-se que 1% das violências de gênero aconteça online, o que representa 120 mulheres vítimas por dia. O número pode parecer pequeno, mas esse não é um problema menor: de todos os comportamentos agressivos e difamatórios no mundo virtual, 95% têm como alvo o público feminino. A partir da história de mulheres que tiveram a privacidade divulgada nas redes, fotos íntimas compartilhadas sem o seu consentiment e/ou sofreram assédio e chantagem online, a publicação mostrou também como o Brasil vem enfrentando o problema.
Reportagem foi produzida pela repórter Alice de Souza, durante a realização da Beca Cosecha Roja. Foto: Shilton Araujo/Esp.DP (Foto: Shilton Araujo/Esp.DP)
Reportagem foi produzida pela repórter Alice de Souza, durante a realização da Beca Cosecha Roja. Foto: Shilton Araujo/Esp.DP

Em setembro deste ano, a vingança pornô (exposição pública de fotos ou vídeos íntimos, sem o consentimento da vítima) passou a ser crime no previsto no Código Penal, pela Lei da Importunação Sexual. Há um projeto de lei tramitando no Congresso Nacional que propõe a incorporação da prática à Lei Maria da Penha. A reportagem do Diario de Pernambuco entrevistou a vítima responsável por dar nome ao projeto, Rose Leonel, hoje ativista da causa.

Os trabalhos vencedores no prêmio Eset foram avaliados de acordo com a relevância social do tema desenvolvido, a originalidade da pesquisa, o tratamento das informações, a qualidade da narrativa e o uso correto da terminologia técnica. O prêmio principal foi para o colombiano Rodrigo Rodríguez, da revista DONJUAN, por seu trabalho intitulado “Bonnie y Clyde en la era digital”. Também foram vencedores Carla Mandiola Garcia, do jornal El Mercurio, do Chile, na categoria Imprensa Gráfica, e Rodrigo Gutiérrez, do Canal Trece, da Colômbia, na categoria multimídia.

Nesta edição do Prêmio ESET, recebem menções especiais as obras mais bem avaliadas dos seguintes locais: Região do Brasil, cujo vencedor é Ramon de Souza Santos, do Canal Tech, com seu trabalho Privacidade | Onde, como e para que é usado seu CPF cadastrado em lojas físicas. A Região do México, onde Ariadna Cruz destacou-se por seu trabalho: ¿La inteligencia artificial amenaza la privacidad?. em El Universal. Na Região Andina, venceu o equatoriano Estefano Davila com seu trabalho Los gamers también enfrentan ciberamenazas, no El Comercio. Por outro lado, a Região Rioplatense teve Pablo Labarta como vencedor por seu trabalho Cazadores de bugs na revista Information Technology, da Argentina. A Região da América Central, Luis Assardo da Guatemala foi destacado pelo artigo Los Netcenters: negocio de manipulación, no Medium. Nesta edição, foi decidido também premiar a Região do Caribe Sul-Americano, onde Ricardo Areiza foi o vencedor da mídia colombiana La Nación, com seu artigo La historia secreta del ladrón de millas.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.