Regras Caminhos para uma educação inclusiva: cartilha do MPPE orienta poder público O MPPE decidiu avivar a memória dos responsáveis por organizar unidades de ensino que tenham condições de acolher crianças e adolescentes com deficiência em idade escolar

Por: Diario de Pernambuco

Por: Jailson da Paz

Publicado em: 16/10/2018 18:18 Atualizado em:

Foto: MPPE/ Divulgação
Foto: MPPE/ Divulgação
As regras para uma educação inclusiva estão postas. Algumas há quase 30 anos. Poder público e iniciativa privada conhecem os marcos legais. Se não colocam em prática, a coisa é outra. Para que tirem os projetos do papel, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) decidiu dar um empurrão. Ou melhor, avivar a memória dos responsáveis por organizar unidades de ensino que tenham condições de acolher crianças e adolescentes com deficiência em idade escolar.

A começar pelo lembrete que o direito à educação está assegurado pela Constituição Federal, embora, nestes tempos, as letras da Carta Magna às vezes sejam encaradas como mortas e não mais soma do esforço coletivo para se pacificar. Mas o MPPE faz bem em lançar uma cartilha Educação inclusiva, resgatando o direito e frisando que uma sociedade anda lenta ou pouco anda sem garantir o mínimo para determinados setores, como o dos deficientes físicos. Quando desconsiderado o mínimo, as consequências são cadeirantes, surdos, mudos e cegos matriculados em escolas regulares que ofertam condições limitadas. E que estão mais para ambiente de castigo do que de aprendizagem e de convivência.

Sujaram o poeta
Desconhecidos não tiveram dó de Carlos Pena Filho. Picharam a estátua do recifense, imortalizado na Praça da Independência, em Santo Antônio. Cobriram os olhos e as orelhas do poeta, autor do Soneto do desmantelo azul, com tinta rosa, enquanto tinta verde cobriu a boca e parte dos cabelos. A estátua integra o Circuito da Poesia.

Varal ambulante
Para ganhar a vida, ambulantes das ruas centrais do Recife recorrem à criatividade. Um deles costuma amarrar uma corda entre as grades dos dois banheiros públicos localizados na esquina das avenidas Dantas Barreto com a Nossa Senhora do Carmo, em São José. Na corda, expõe bonecos de plástico, guarda-chuva e sombrinha. Tudo à venda.
 
Perigo no posto
Assusta a velocidade com que alguns veículos fazem o retorno, diga-se proibido, pelo posto de combustível que separa a Rua Quarenta e Oito e a Avenida João de Barros, no Espinheiro. Para passar da avenida para a rua ou vice-versa os motoristas fazem zigue-zague, como visto nesta segunda-feira (15), pela manhã, entre carros que estão sendo abastecidos.

Reparo marcado
Equipe técnica da Emlurb vistoriou o trecho do guarda-corpo do Rio Capibaribe, nas imediações da Avenida Martins de Barros com a Rua Siqueira Campos, no bairro de Santo Antônio, que caiu. A denúncia foi feita pelo Diario Urbano no início deste mês e a promessa da empresa é recuperar a mureta até o final de outubro. 

Melhorou, mas…
Levantamento do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (DNIT) diz que as condições das estradas federais em Pernambuco melhoraram de 2016 para 2018. Era 59% e passou para 76%. Apesar do avanço, o percentual de ruim e péssimo continua significativo. É de 9% nas rodovias, tendo 5% sido classificado no pior grau de manutenção.

Pontos no mapa
O mapa das estradas federais no estado, segundo o DNIT, mostra dois trechos com as maiores concentrações de ruim e péssimo. Um, na BR-232, fica entre Cruzeiro do Nordeste, em Sertânia, e Custódia, no Sertão. Outro, na BR-101, era o chamado Contorno Recife, cujos quilômetros já foram recuperados. Os mapas são do semestre passado.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.