A morte Severina de Severino

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 13/10/2018 17:25 Atualizado em:

Severino José dos Santos, identificado como morador de rua, sem idade revelada, foi assassinado nesta sexta-feira em Jaboatão dos Guararapes. Pouco se sabe sobre a morte dele, dos assassinos (ou assassino) e por qual motivo - a vida sempre lhe foi cruel, nas ruas.

De acordo com a Polícia Civil, uma pedra foi a arma do crime, que se concretizou no bairro de Prazeres. Não houve protestos de rua, nem maiores detalhes. Morrer em feriadão, quando já se é invisível para a sociedade, é quase um convite ao esquecimento eterno. O que está em funcionamento é o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, numa espécie de plantão revezado, e os policiais correm tanto como qualquer outro plantonista. Tudo é muito rápido, logo mais aparece outro chamado, outra execução para investigar, outra morte a esclarecer e eles correm contra o relógio. É assim nos hospitais, e muitas outras profissões, a correria do plantão.

Uma equipe do Samu ainda conseguiu levá-lo para uma Unidade de Pronto Atendimento, da Imbiribeira, Zona Sul do Recife. Mas Severino morreu. As pedradas não lhe deram direito às últimas lembranças. Alguém o acusou de culpado por algum motivo. E ele morreu sem direito à defesa, sem advogado e sem juiz.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.