Crime Advogado morre após ser baleado no Parque das Esculturas, no Recife De acordo com informações da esposa da vítima, ambos estavam pedalando com uma adolescente quando foram abordados por dois assaltantes

Publicado em: 30/09/2018 14:40 Atualizado em: 30/09/2018 22:08

Foto: Reprodução (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução
Um passeio de bicicleta como tantos outros que realizados de bicicletas pelo advogado Flávio Mendes de Amorim, 47 anos, e sua esposa terminou em tragédia no final da manhã deste domingo. O casal decidiu ir ao Parque de Esculturas de Brennand com uma adolescente. Acabaram sendo abordados por Matheus Ribeiro Vieira de Barros, 18, armado, e Arthur Felipe Lima de Lira, 20, que exigiam que entregassem seus celulares e as bicicletas. A esposa e duas testemunhas afirmaram não ter havido resistência, mas Matheus acabou atirando contra o peito de Flávio, que foi socorrido mas chegou sem vida no Hospital da Restauração (HR), às 11h30.

Segundo a Polícia, Matheus Ribeiro Vieira Barros, 18 anos, confessou o crime. Foto: Osnaldo Moraes/DP
Segundo a Polícia, Matheus Ribeiro Vieira Barros, 18 anos, confessou o crime. Foto: Osnaldo Moraes/DP
  
A esposa pediu para não ser identificada e a identidade da adolescente é preservada por força de Lei. A abordagem aos três ocorreu aproximadamente às 11h e passou despercebida para quem participava de eventos do lado oposto ao parque, no Recife Antigo, Região Centro da Capital. Segundo o gestor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Guilherme Caraciolo, as investigações e os depoimentos colhidos, Arthur abordou a esposa inicialmente. Ela entregou a bicicleta, mas disse que não tinha celular e entregou seu relógio, que ele quebrou no chão. Flávio pedia calma e disse que entregaria tudo, mas Matheus recuou e efetuou o disparo. 

Responsável pelo policiamento ostensivo da área, o comandante do 19º Batalhão da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), tenente-coronel Paulo Matos disse que após o acionamento pelo Ciods, às 10h56, o efetivo foi reforçado com PMs destacados para um evento político-partidário para captura dos suspeitos, num corredor de casas da família, em Brasília Teimosa, Região Sul da Capital. Paulo Matos disse que um efetivo de 12 homens atuam na área onde houve o assalto que tirou a vida de Flávio. Visitantes dizem que raramente vêm policiamento na área.

Arthur foi preso quando estava escondido dentro de um guarda-roupas, na casa da mãe de Matheus, onde também estavam as duas bicicletas roubadas do casal, modelos Caloi Elite 10 e Elite 20, com preços na faixa de R$ 3 mil segundo declarou a esposa da vítima. Matheus foi encontrado debaixo de um beliche, na casa da avó. Na busca foram apreendidos R$ 522,00, dez “bigbigs” (de droga) e três celulares, um deles cadastrado no sistema de alerta contra roubo de celular, que poderá ampliar o indiciamento por latrocínio. A arma do crime não foi encontrada.

“Os dois confessaram tudo”, disse o delegado Guilherme Caraciolo, acrescentando que ambos foram reconhecidos pela esposa e pelas testemunhas. Mas Matheus alegou que Flávio teria esboçado reação. Além deles a Polícia trabalha  com a possibilidade de um terceiro envolvido, que seria o receptador que “encomenda” os objetos a serem roubados. Matheus e Arthur são conhecidos pela PCPE e PMPE desde a adolescência, quando foram pegos por envolvimento com tráfico e furto. O delegado destacou que os dois são ligados a um grupo envolvido com tráfico em Brasília Teimosa contra o qual pesa a suspeita de três homicídios em investigação. Segundo informações da Polícia, uma tia e um primo de Matheus, identificados como Carmelita e Amoroso, cumprem pena por tráfico. 

Matheus e Arthur ficaram presos na sede do DHPP, de onde seguirão para audiência de custódia hoje. Ao serem levados para uma viatura que os levaria para exames de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML), Arthur resistiu em sair da sede do DHPP e baixou a cabeça ao perceber a presença de repórteres e gritou “Sou inocente. Sou inocente, senhor”. Matheus também recuou antes de sair, mas acabou encarando as equipes de reportagem, sem falar nada.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.