Solidariedade ONG que trata crianças cardiopatas carentes faz festa solidária no Clube Português Círculo do Coração faz campanha para manter atendimento

Publicado em: 26/09/2018 11:32 Atualizado em:

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação
Cuidar de crianças com cardiopatias é um desafio em todo o mundo, principalmente nos países em desenvolvimento, onde os diagnósticos são frequentemente atrasados %u200B%u200Bdevido à falta de programas de rastreio e pessoal treinado, disponibilidade limitada de leitos hospitalares e pelo afastamento das comunidades rurais dos principais centros urbanos onde os especialistas em cardiologia pediátrica estão disponíveis. O Brasil enfrenta esses desafios, particularmente nas áreas mais pobres, nas regiões Norte e Nordeste do país.

Em Pernambuco, o Círculo do Coração (CirCor), fundação criada em julho de 1994 pelos integrantes da Unidade de Cardiologia e Medicina Fetal (UCMF), instalada no Real Hospital Português (RHP), realiza o tratamento de crianças carentes portadoras de doenças cardíacas, contando ainda com o apoio técnico do Centro de Estudos e Pesquisas (CADUCEUS), responsável pela formação de profissionais de saúde. Um trabalho que, há 24 anos, acumula um legado de centenas de vidas salvas.

Este ano, entre os tantos pacientes atendidos, 95 crianças que fazem atividades físicas no Compaz (sendo 30 no Compaz Ariano Suassuna e 40 no Compaz Eduardo Campos) e 25 estudantes da Escola Municipal Pintor Lauro Villares, em Roda de Fogo, no Recife, tiveram os exames de parecer cardiológico realizados pelo CirCor de forma gratuita além do trabalho realizado pela Rede de Cardiologia Pediátrica na Paraíba.

Para comemorar as vidas dessas crianças e estimular a doação para a continuidade dos serviços, o CirCor realiza no dia 11 de outubro, no Clube Português do Recife, a partir das 16h uma festa solidária para pacientes atendidos pela ONG e 70 crianças do Grupo Espírita Luz e Amor, que também receberão atendimento médico. Na programação, shows cover de Bita, Galinha Pintadinha, Princesas da Disney e outros personagens infantis, todos interpretados pelos médicos, residentes, enfermeiros e pessoal técnico da equipe, além de brincadeiras infantis e sorteios de prêmios.

Na ocasião, serão realizados sorteios de prêmios, um bingo beneficente, venda de comidinhas, receitas de pratos saudáveis à base de soja e comercialização de produtos da lojinha do CirCor para possibilitar a continuidade dos serviços realizados pela entidade. Os interessados em fazer doações podem fazer depósito em conta ou adquirir os produtos do Círculo na sede da entidade, no Real Hospital Português (Avenida Agamenon Magalhães, Paissandu, Recife).

Mais informações e encomendas com Kátia Sampaio, pelo telefone (81) 996941916 TIM que também funciona com o WhatsApp e no fixo (81)33121555. Durante o evento também serão recolhidos alimentos e roupas para doação ao Grupo Espírita Luz a Amor (Gela).

Dados bancários do Circor:
Caixa Econômica Federal, Banco 104
OP 003
C/C 626-5
Ag. 2348
CNPJ: 00.286.731/000145 
Saiba mais sobre o Círculo do Coração 

Fundação de Apoio criada em julho de 1994 pelos integrantes da Unidade de Cardiologia Materno Fetal (UCMF), instalada no Real Hospital Português (RHP), o Círculo do Coração de Pernambuco atua com o principal objetivo de facilitar o tratamento de crianças carentes portadoras de doenças cardíacas. Um projeto pioneiro de parceria entre a equipe de saúde, o paciente, familiares, complexo hospitalar e voluntários da comunidade. Uma realização de referência que combina saúde, tecnologia e sobretudo, pessoas.

Contanto com o braço de cooperação médica firmemente implantado na equipe multidisciplinar de saúde da UCMF como médicos, psicólogos, nutricionistas, a iniciativa envolve o processo de melhoria do atendimento médico e produção e disseminação do conhecimento. Uma equipe compromissada e engajada na realização de reuniões e campanhas beneficentes para captação de recursos e esclarecimento da população sobre a realidade da doença cardíaca em nossa região.

Os pacientes, por sua vez, contribuem com o trabalho, vendendo materiais promocionais ou pagando uma taxa de consumo, enquanto o hospital reduz os custos e a comunidade atua por meio da doação de recursos para manutenção. Um processo onde cada componente é importante: cirurgia, secretariado, diagnóstico, contabilidade, arteterapia, psicologia, informática, gestão, pacientes, familiares, hospital, comunidade. Todos trabalhando com o coração.

Saiba mais sobre a Rede de Cardiologia Pediátrica (RCP)

A Rede de Cardiologia Pediátrica foi desenvolvida pelo Círculo do Coração com a missão de levar a todos, especialmente aos mais carentes, os melhores serviços médicos concebidos e praticados na UCMF e no Caduceus, utilizando esta prestação de serviços como aprendizado, de prática e de conhecimento para melhorar sempre os serviços na prevenção e tratamento humano da saúde. Fruto de um projeto pioneiro, a RCP utiliza a telemedicina para desenvolver uma abordagem inovadora e estruturar o atendimento de crianças cardiopatas. A RCP estrutura a assistência à criança cardiopata dentro da filosofia LEGOS: Liderar e Empoderar Grupos para Otimizar Soluções, com o objetivo de viabilizar o tratamento de crianças carentes, portadoras de doenças cardíacas. Nos casos em que são identificados problemas cardíacos, as crianças têm todo atendimento adequado e necessário, passando até por cirurgias, se for o caso

Este ano, a iniciativa foi premiada como melhor trabalho em cardiologia pelo World Society for Pediatric and Congenital Heart Surgery e 18th International Symposium on Congenital Heart Disease, realizados em julho passado nos Estados Unidos. A Doutora Sandra Mattos, idealizadora do projeto, apresentou os resultados do trabalho inovador realizado entre os anos de 2011 e 2018 que aponta a empatia, o diagnóstico precoce, a busca ativa por crianças cardiopatas, a telemedicina, misturando alta tecnologia e trabalho colaborativo como solução para o combate aos altos índices de mortalidade infantil.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.