Mobilidade 7° Desafio Intermodal acontece no Recife nesta quarta em direção à Zona Oeste Diferentes modais farão o percurso Centro-Zona Oeste a partir das 18h. Objetivo é avaliar as condições de mobilidade na cidade a partir de critérios de tempo, energia física e poluição, entre outros, para indicar os melhores modais para a cidade

Publicado em: 26/09/2018 10:48 Atualizado em: 26/09/2018 10:51

Desafio visa avaliar os melhores modais para o Recife, segundo tempo, gasto, dispêndio físico e poluição, entre outros. Foto: Acervo/Ameciclo
Desafio visa avaliar os melhores modais para o Recife, segundo tempo, gasto, dispêndio físico e poluição, entre outros. Foto: Acervo/Ameciclo

A Associação Metropolitana de Ciclistas do Recife - Ameciclo e o Pernambuco Bike Anjo promoverão, nesta quarta-feira (26), o 7º Desafio Intermodal, o DIM. Neste ano, o percurso sairá da Praça da Independência em direção ao Mercado do Cordeiro, na Zona Norte. A concentração será partir das 17h, com saída às 18h. Essa é a primeira vez em que o DIM será realizado em direção à Zona Oeste, após percursos para Zona Norte e Zona Sul, fazendo uma leitura da mobilidade e da acessibilidade desse caminho. Também é a primeira vez em que o modal BRT será medido. Além dele, participarão demais modais como bicicleta, monociclo, táxi, carro, ônibus, caminhada, corrida, além de trajetos intermodais, realizados por voluntários.

O DIM é um modo de comparar o uso e a eficiência de diferentes modais em determinado trajeto, e acontece no Recife desde 2012, sendo uma forma de medir a qualidade da mobilidade urbana de acordo com os usos cotidianos da cidade. A avaliação das vantagens e das problemáticas de cada modal é feita de acordo com critérios de tempo, custos e dispêndio de energia física ao longo do deslocamento, bem como emissões de gases de efeito estufa, além da própria avaliação com os participantes. Os resultados são divulgados após a chegada do último participante, no mesmo dia da prova.

Segundo Lígia Lima, ciclista e coordenadora da Ameciclo, o DIM é um modo de comparar diversos modos de ir de um lugar A a outro B na hora de pico com várias camadas de comparação. “Com a experiência de várias pessoas utilizando vários modais de transporte diferentes no rush, é possível identificar, para o Recife, qual é a melhor estratégia e qual o melhor modal se poderia utilizar para chegar ao destino, vendo diversas questões. Se você se importa com a rapidez, há um resultado por tempo; se você se importa com a rapidez ou com questões ambientais de emissões, você tem rankeamento com base nisso; se você se importa mais com custo do transporte, a gente também tem essa conta”, enfatiza a coordenadora.

Renovação a cada três anos
Para melhor avaliar a evolução da estrutura e dos modos de locomoção na cidade, o DIM é realizado sempre em ciclos de três anos, durante os quais os mesmos percursos são repetidos. De 2012 a 2014, o percurso foi do Centro à Zona Sul; de 2015 a 2017, o trajeto saiu também do Centro, mas em direção à Zona Norte. A próxima edição dará início ao ciclo de três anos com a rota Centro à Zona Oeste da cidade.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.