DP NOS BAIRROS Mascarenhas receberá 415 mudas As plantas nativas da Mata Atlântica serão cultivadas no canteiro central da avenida para reduzir o calor. O bairro tem apenas 13,23% de cobertura vegetal

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 21/09/2018 07:38 Atualizado em: 21/09/2018 09:08

O corredor de tráfego da Mascarenhas de Morais é um dos mais áridos da cidade. Foto: Peu Ricardo/DP
O corredor de tráfego da Mascarenhas de Morais é um dos mais áridos da cidade. Foto: Peu Ricardo/DP
Considerado um dos corredores mais áridos da Região Metropolitana do Recife (RMR), a Avenida Mascarenhas de Moraes, no bairro da Imbiribeira, vai passar a receber, a partir de hoje, 415 novas árvores. As mudas nativas da Mata Atlântica serão plantadas no canteiro central da via. A ação está sendo realizada pela Prefeitura do Recife, via Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, em parceria com a Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE), como uma forma de compensação às supressões vegetais feitas em outras regiões da cidade. 

Apesar de possuir alguns redutos maciços arbóreos, como a área do entorno da Lagoa do Araçá, o bairro da Imbiribeira, na Zona Sul da capital, só tem 13,23% de seu território composto de áreas verdes, incluindo jardins, parques e remanescentes vegetativos. Esse percentual verde é bastante inexpressivo se comparado com outros bairros do Recife, como a Guabiraba, que tem mais de 85% de seu território composto de áreas verdes, e a Jaqueira, cujo percentual de cobertura vegetativa é de 47,79%. Em alguns trechos da Imbiribeira, existe uma diferença de 7º graus celsius a mais na temperatura, se comparado com locais mais arborizados. A parceria entre a prefeitura e a Ademi-PE prevê também o cuidado das plantas durante um ano após o cultivo.

“Nós temos uma série de projetos referentes à arborização urbana. Um deles é esse: quando uma construtora faz alguma supressão vegetal em determinado território, fazemos a compensação em outra região. A Avenida Mascarenhas de Moraes foi uma das vias escolhidas para receber esse projeto porque concentra muito fluxo de pessoas e de carros, com grandes ilhas de calor e uma aridez muito grande”, explica o secretário de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, Bruno Schwambach. Ele ressalta que o canteiro central da Mascarenhas de Moraes já possui alguma vegetação, mas que não oferece sombreamento. Por esse motivo, as mudas escolhidas são de árvores nativas de médio e grande porte, capazes de promover sombreamento. 

As primeiras plantas começam a ser colocadas às 9h30, nas imediações da Ponte Motocolombó, na Imbiribeira. A avenida Mascarenhas de Moraes receberá exemplares de espécies como Pau-Ferro, Sibipiruna e Ipê (roxo, rosa e branco). Além de promover o sombreamento e combater a formação de ilhas de calor, a ação visa também promover o paisagismo e algumas espécies foram escolhidas por oferecer coloração durante a primavera. A ampliação da cobertura verde se estenderá por 6 km, entre a Ponte Motocolombó e o Aeroporto Internacional Gilberto Freyre. A previsão é que o trabalho seja concluído no final de outubro. 

O urbanista e professor do Mestrado em Desenvolvimento Urbano da Universidade Federal de Pernambuco (MDU/UFPE) na área de conforto ambiental, Ruskin Freitas, diz que a iniciativa é bem-vinda e agrega ainda outro aspecto positivo ao lugar. “A Mascarenhas de Moraes é desconfortável pela impermeabilização do solo. A vegetação, além de diminuir a temperatura da via, ainda ajudará a reduzir o ruído, já que essa avenida é uma das mais barulhentas do Recife. É preciso escolher espécies que se adaptem à poluição do ar”, ressalta Ruskin Freitas. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.