Decisão Médicos do Recife decretam greve por tempo indeterminado Categoria mantém serviços de urgências, emergências e nas maternidades. Mas consultas e exames serão reagendados

Publicado em: 20/09/2018 15:09 Atualizado em: 20/09/2018 17:32

Imagem: Simepe/Divulgação
Imagem: Simepe/Divulgação

Os médicos da rede municipal do Recife decretaram greve por tempo indeterminado. A decisão por unanimidade foi tomada em assembleia realizada no fim da manhã desta quinta-feira (20), no auditório da Associação Médica (AMPE), no bairro da Boa Vista. A categoria denuncia a falta de medicamentos, insegurança e de condições de estrutura de trabalho. Eles pedem ainda a realização de concurso público para ampliar o quadro de profissionais de saúde, que foi prometido mas não cumprido pela Prefeitura do Recife.

Com a paralisação, a partir desta sexta-feira (21), ficam suspensos os serviços de exame e consultas estarão suspensas. Segundo o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), o atenimento nas urgências e emergências de saúde, maternidades e Capes municipais será mantido mesmo com o movimento. 

Os médicos estão insatisfeitos com a falta de resposta da Secretaria Municipal de Saúde,  em relação ao cumprimento do Termo de Compromisso, assinado no mês de janeiro passado. De acordo com o Simepe, os pleitos abrangem melhorias na segurança das unidades de saúde, abastecimento de insumos e investimentos em medicamentos, na área de saúde mental, exames complementares equipamentos.

A categoria reivindica também que a questão remuneratória, através da Lei de Incorporação da Gratificação de Plantão e a equiparação salarial com o Estado) seja de fato cumprida pela gestão do Recife.

O atendimento às urgências e emergências está sendo será mantido durante todo o período da paralisação. Ficando restrito a suspensão das atividades a todos os serviços eletivos, ambulatórios e postos vinculados ao Estratégia de Saúde da Família (ESF). Todos os serviços adiados podem ser reagendados para os próximos dias.

Reposta

Por meio de nota, a Prefeitura do Recife se manifestou em relação à decisão dos médicos da rede municipal. A PCR afirmou que lamenta o uso do expediente "como forma de manifestação", que mantém o diálogo aberto e que a categria já foi contemplada com reajuste acumulado de 32,95% desde 2013. No entanto, o comunicado não responde às outras reivindicações dos profissionais de saúde, falta de medicamentos, insegurança e de condições de estrutura de trabalho. Veja a nota na íntegra:

"A Prefeitura do Recife lamenta o uso deste tipo de expediente como forma 
de manifestação e reitera que o canal de diálogo com a categoria sempre 
esteve aberto. A Prefeitura lembra ainda que de 2013 até hoje, a categoria 
foi contemplada com reajuste acumulado de 32,95%, sendo 4,04% dado este 
ano, além das progressões de carreira que impactam diretamente na 
remuneração". 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.