Extorsão Tentativas de golpes envolvendo presos nas delegacias do Recife e Garanhuns são registradas Em nova modalidade de estelionato, golpistas se passam por juízes e delegados

Por: Thainá Nogueira - Diario de Pernambuco

Publicado em: 12/09/2018 19:21 Atualizado em: 13/09/2018 08:32

Foto: Marlon Diego/Esp.DP
Foto: Marlon Diego/Esp.DP
Foram registradas nas Delegacias da Mulher do Recife e na 18ª Seccional de Polícia de Garanhuns nos últimos dias tentativas um tanto quanto inusitadas de estelionato. Trata-se de um golpe para extorquir dinheiro dos familiares dos presos. O caso foi relatado para a delegacia de crimes cibernéticos do Recife e será investigado na 134ª delegacia circunscriocional de Garanhuns.

De acordo com o agente da polícia civil Valter Rodrigues, no Recife, a tentativa de golpe aconteceu em dois momentos. "Recebemos ligações de uma pessoa se identificando como Juiz Plantonista do Tribunal e pedindo informações sobre as situações dos presos como nome, endereço e número do telefone dos familiares", afirma. Estranhando a maneira fora do padrão para obter as informações, na segunda ligação, os agentes forneceram números telefônicos deles mesmos e instantes depois receberam ligações e foram contactados através de aplicativo de troca de mensagens instantâneas. "Me ligaram, se identificaram como o delegado que prendeu o meu ‘parente’ e informaram que havia sido arbitrado uma fiança de R$ 1,5 mil, onde eu deveria depositar o valor em uma conta que ele me passou os dados. Prontamente me identifiquei como policial e eles encerram a ligação", completa. A mesma forma de abordagem para realizar o golpe também foi registrada na delegacia de Garanhuns.

Com apenas os dois registros divulgados, não é sabido se a prática do estelionato obteve sucesso em algum local no estado. No entanto, de acordo com o advogado Pedro Bezerra, a forma de abordagem da polícia para informar aos familiares e ao poder judiciário da situação dos presos segue um padrão único. "Quando o delegado identifica o crime como passível de fiança – porque nem todos admitem-, ele estabelece e informa aos familiares, na delegacia, uma guia para ser efetuada o depósito da fiança. É uma conta do judiciário de fundo do amparo aos presos, que é administrada pela União. Jamais é depositado em conta pessoal", afirma. Além disso, a advogada Tatyana Mota lembra que em nenhum momento é passado informações dos presos por telefone aos familiares ou aos membros dos poderes do judiciário. "Tudo acontece dentro da delegacia", alerta. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.