Itamaracá Detento é capturado em flagrante por porte ilegal de armas durante saída temporária Mais outros três suspeitos foram autuados e aguardam audiência de custódia.

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 06/09/2018 13:17 Atualizado em: 06/09/2018 13:29

Durante a ação, a Polícia Civil apreendeu duas pistolas 380, três carregadores com 49 munições, quatro celulares e os dois veículos.
Foto: Polícia Civil/Divulgação. (Durante a ação, a Polícia Civil apreendeu duas pistolas 380, três carregadores com 49 munições, quatro celulares e os dois veículos.
Foto: Polícia Civil/Divulgação.)
Durante a ação, a Polícia Civil apreendeu duas pistolas 380, três carregadores com 49 munições, quatro celulares e os dois veículos. Foto: Polícia Civil/Divulgação.

Um detento e outros três suspeitos foram capturados na manhã da última quarta-feira, pela Polícia Civil, no município de Itamaracá, no Grande Recife, por porte ilegal de arma, receptação e associação criminosa armada. De acordo com a Divisão Norte de Homicídios da Região Metropolitana do Recife, responsável pela prisão, um dos envolvidos tinha a intenção de aproveitar a saída temporária da Penitenciária Agroindustrial São João (PAISJ), localizada na Ilha, para cometer um assassinato naquele mesmo dia.

As investigações apontam que Luan Fillipe Silva de Moura, de 28 anos, saiu do presídio para encontrar com Wilson Pereira Porto, 34, Sidrak José da Silva, 31 e Tiago Alves Correia, 26 que já tem histórico criminal, na divisa entre os municípios de Itapissuma e Itamaracá. Durante o encontro, uma equipe da Polícia Civil abordou os suspeitos e apreendeu duas pistolas 380, três carregadores com 49 munições, quatro celulares e os dois veículos, que de acordo com a Polícia, foram utilizados para a prática do crime.

Todos os envolvidos, assim como o material apreendido foram levados para a 8° Delegacia de Polícia de Homicídios, onde foram autuados em flagrante e aguardam a realização da audiência de custódia que será realizada no Fórum de Olinda. Segundo a delegada responsável pelo caso, Natália Araújo, os critérios para as saídas temporárias dos apenados precisam ser mais rigorosos.

"Para Polícia a saída temporária é sinônimo de aumento de violência. Isso é inegável. Porque está acontecendo uma saída massiva de mais de mil presos homicidas contumazes. Então acredito que a lei tem que ser mais firme, a avaliação para as saídas tem que ser mais criteriosa porque o que a gente vê é a população insegura enquanto eles gozam desse benefício e saem muitas vezes para cometer crimes e muitas vezes não voltam", argumentou.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.