Fiscalização Governo fará megaoperação para coibir aumento indevido de combustível e gás de cozinha O anúncio feito neste domingo pelo secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico

Publicado em: 02/09/2018 16:14 Atualizado em: 02/09/2018 16:35

Fotos: Nando Chiappetta/DP
Fotos: Nando Chiappetta/DP
O secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, anunciou neste domingo (2) que fará na segunda-feira (3) uma megaoperação no estado para fiscalizar e punir os postos de gasolina e distribuidoras de gás de cozinha que aumentaram “irresponsavelmente” os preços dos respectivos produtos. O reajusto indevido, segundo o secretário, foi provocado pela onda de boatos que circulou nas redes sociais no último sábado (1) sobre uma suposta greve dos caminhoneiros. Os boatos levaram pânico à população e provocou a formação de longas filas nos postos de gasolina para abastecer os carros.

Pedro Eurico disse, ainda, que a empresa Petro Mega, responsável inicialmente por divulgar a falsa informação (com uma nota informativa divulgada no seu Instagram), será intimida nesta segunda-feira (3) e enquadrada no Código de Defesa do Consumidor, em seu artigo 5º, por espalhar o pânico com a intenção de colher resultados financeiros ou de outra natureza. “A pena prevista para quem pratica esse tipo de crime é de dois a cinco anos de detenção”, informou o secretário.

De acordo com Pedro Eurico, a aglomeração que se formou nos postos de combustíveis reflete o clima de irresponsabilidade que tomou conta das redes sociais. “A internet funciona para o bem ou para o mal e, neste caso, a fake news cresceu em clima de descrédito e pânico da população. A empresa Petro Mega soltou informação falsa e outros empresários irresponsáveis passaram a replicar a notícia”, destacou.

Neste domingo (2), representante da Polícia Militar, Polícia Civil, Procon e a Secretaria de Planejamento fizeram uma reunião de emergia para tratar do assunto. “A fiscalização já está nas ruas, A população não pode ser penalizada por conta de boatos irresponsáveis”, ressaltou Pedro Eurico, que conduziu a reunião. Se aproveitando da onda de boatos, alguns donos de distribuidoras e pontos de venda do gás de cozinha aumentaram o preço do botijão de R$ 55,00 para R$ 70,00 sem que houvesse nenhuma justificativa plausível, segundo o secretário. “As equipes de fiscalização atuarão com rigor e os empresários mal intencionados serão multados por abuso de poder econômico”, frisou Padro Eurico.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.