CRONUS Operação pernambucana contra feminicídio prende seis Quatro dos seis presos descumpriram medidas protetivas e um desses foi libertado pela Justiça por duas vezes, quando voltou a agredir a ex-companheira.

Publicado em: 24/08/2018 22:00 Atualizado em: 24/08/2018 22:13

Max Muller, Leonardo Manoel, Saulo Nobrega, Kleyton José, Christiano de Oliveira e Expedito Luiz foram presos pela Operação Cronus. Imagens: Seres e PCPE/Divulgação
Max Muller, Leonardo Manoel, Saulo Nobrega, Kleyton José, Christiano de Oliveira e Expedito Luiz foram presos pela Operação Cronus. Imagens: Seres e PCPE/Divulgação
Seis homens foram presos em Pernambuco numa operação realizada para coibir a violência contra as mulheres. Segundo a Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) a Operação Cronos foi realizada em várias parte do Brasil e tem como objetivo combater o feminicídio, tendo sido cumpridos cumpridos mandados de prisão nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e Recife, na Região Metropolitana do Recife (RMR), e em Afogados de Ingazeira, no Sertão, e no município de Cabedelo, na Paraíba. Titular do Departamento de Polícia da Mulher (DPMUL), a delegada Julieta Japiassu destacou que a operação ocorreu no mês em que a Lei Maria da Penha completa 12 anos. 

A delegada Julieta Japiassu destacou que a operação teve ações antecipadas na quarta-feira, no Cabo de Santo Agostinho, onde ocorreu o cumprimento de dois mandados de prisão, pela necessidade de preservar a vida da vítima. “Foram cumpridos mandados de prisão de em todo o Brasil, de crimes de feminicídio e de outros crimes de violência contra a mulher”, enfatizou, acrescentando que na próxima semana vai ser lançado um “protocolo de feminicídio do estado de Pernambuco”, que seria composto de “diretrizes para prevenir, investigar, processar e julgar o feminicídio”. Todas as vítimas têm os nomes preservados.

No Cabo de Santo Agostinho, na quarta-feira, ocorreu o primeiro cumprimento de mandado de prisão pela Operação Cronos em Pernambuco. Max Muller da Silva, 29 anos, foi preso por ameaça à ex-companheira. Segundo a PCPE, Max Muller da Silva possui um extenso histórico criminal por homicídio, tráfico e porte de arma de fogo. No mesmo município também foi preso Leonardo Manoel da Silva, 35, por mandado de prisão decretado pelo juiz da Vara de Violência Doméstica e Familiar, por descumprimento de medida protetiva.

Nesta sexta-feira, em Santo Amaro, Região Centro do Recife, a Operação Cronos garantiu a prisão de Saulo Nobrega de Morais, 37, que agrediu a ex-companheira, quando pediu ajuda para sair de um bar, onde estava bebendo e temia ser pego em uma blitz. A denúncia foi registrada no dia 17 de agosto e a vítima requereu medidas protetivas, que foi concedida pelo Judiciário. Saulo foi preso por descumprir a ordem judicial de se manter distante da vítima.

Também na Capital, em Jardim Jordão, na Região Sul, foi preso Kleyton José Tavares Bandeira, 23. Segundo a PCPE foi a terceira prisão dele em decorrência de episódios de lesão corporal contra a ex-companheira desde a primeira ocorrência, em janeiro de 2018. Libertado depois de cinco meses, voltou a agredir a vítima. Em julho, Kleyton foi preso novamente e liberado em seguida. A terceira prisão do agressor foi em razão do  descumprimento das medidas protetivas requerida pela vítima e ocorreu em cumprimento de mandado expedido pela Justiça em Caruaru.

Christiano de Oliveira Malaquias da Silva, 29, foi preso no município de Cabedelo, na Paraíba, e recolhido na Cadeia Pública de Goiana por estupro de vulnerável. O crime ocorreu em 2015, quando ele abusou sexualmente da filha de 11 anos do homem que era tido como seu melhor amigo. Após o crime, Christiano de Oliveira Malaquias da Silva fugiu, permanecendo foragido da Justiça por dois anos.

Em Afogados da Ingazeira, no Sertão, foi preso Expedito Luiz de Lima, 37, que segundo a PCPE possui longo histórico de violência doméstica. A prisão foi determinada também por descumprimento de medida protetiva que determinava o afastamento em relação a ex-companheira, que ele ameaçou de morte.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.