Diario nos Bairros Brasília Teimosa: uma avenida de sonhos e desafios A vida dos moradores já não é mais a mesma desde a saída das palafitas da beira-mar há 15 anos. As carências agora são outras

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/08/2018 07:33 Atualizado em: 24/08/2018 07:40

Avenida Pavimentada e equipamentos de lazer onde antes havia palafitas. Foto: Nando Chiapetta/DP
Avenida Pavimentada e equipamentos de lazer onde antes havia palafitas. Foto: Nando Chiapetta/DP

Sentado em uma cadeira de rodas, enquanto toma café da manhã, o motorista aposentado Roberto Gouveia, 54 anos, tem ao alcance dos olhos o mar. A vista privilegiada foi uma das principais conquistas dele, que herdou dos pais uma casa na beira-mar de Brasília Teimosa. O bairro que viu a urbanização chegar de forma definitiva há cerca de 15 anos, depois de sequenciadas tentativas nas décadas de 1980 e 1990, tem hoje outro horizonte. A chegada de uma orla, com avenida pavimentada, e a saída das palafitas, porém, não foi acompanhada do ordenamento. 

Atravessar o Pina e ingressar na Avenida Brasília Formosa é como entrar em outro mundo. Se por um lado a retirada dos imóveis de madeira sobre o mar descortinou residências de alvenaria que antes ficavam escondidas, por outro o uso e a ocupação do calçadão, da faixa de areia e mesmo das calçadas do lado das residências acontece sem seguir nenhuma regra. É o que diz Roberto. “Minha vida mudou muito, eu e minha irmã vivíamos em palafitas. Era horrível. Por outro lado, a única vantagem é que agora a gente não precisa mais sair de casa para ver o mar. Mas o nosso registro é ainda da rua de trás. É lá que as cartas chegam, onde tem água e os outros serviços”, conta. Na prática, Roberto ainda vive na antiga Rua E, atual Rua Atum.

Entre o imóvel dele e o oceano, usualmente, existem sempre obstáculos que impedem um horizonte completamente livre, como lixo acumulado, carros estacionados de maneira irregular, cadeiras de bares do entorno. Morador do bairro desde que nasceu, o vigilante Abraão Nascimento, 63 anos, é outro que ganhou vista para o mar com a retirada das palafitas e ergueu no imóvel até um segundo andar, para os filhos e netos. “Os bares ocupam as calçadas como querem, botam som alto a qualquer hora do dia”, reclamou.

O motorista José Nunes, 59, diz que falta maior controle no tráfego. “Só temos duas faixas de pedestres. O ideal seria colocar uma câmera daquelas que existem em outras partes da cidade”.  De acordo com o secretário de Mobilidade e Controle Urbano, João Braga, a prefeitura já realizou um trabalho de organização das barracas da orla do bairro e faz fiscalização na área, em especial nos fins de semana. “Estamos em busca de parcerias para fazer a padronização dos equipamentos. Queremos estar com isso até o fim do ano”, disse. Braga afirmou que enviará uma equipe ao local para verificar as denúncias.

Em nota, a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) informou que a orla do bairro conta com serviço regular de coleta domiciliar. O trabalho é feito diariamente, de forma mecanizada em horário diurno. A varrição é feita aos domingos, segundas e quintas-feiras. Na orla de Brasília Teimosa há três equipamentos públicos de lazer: a Praça de São Pedro, a Praça Av. Brasília Formosa e a Praça Cristina Valença. A primeira foi reformada em junho deste ano. Os serviços abrangeram ações de arborização, troca de bancos e reparos nos equipamentos. Em novembro  duas ruas vaõ ser beneficiadas. 

Já a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) informou que o bairro está inserido no plano de manutenção de sinalização e receberá serviços de implantação e de requalificação da sinalização no mês de novembro. Além disso, será feito no bairro o disciplinamento de estacionamento irregular, ação que visa melhorar a mobilidade no local, e ainda novas faixas de pedestres e revitalização da sinalização existente. No que se refere à fiscalização eletrônica, o bairro contará com câmera de videomonitoramento na Rua Arabaiana. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.