Acidentes Ceatox registra aumento de 8% nos atendimentos do 1º semestre de 2018 Acidentes com escorpião é a principal demanda do Centro de Assistência Toxicológica

Publicado em: 01/08/2018 09:02 Atualizado em:


Os acidentes envolvendo escorpiões somaram, de janeiro a junho, 674 atendimentos. Foto: divulgação
Os acidentes envolvendo escorpiões somaram, de janeiro a junho, 674 atendimentos. Foto: divulgação
No primeiro semestre de 2018, o Centro de Assistência Toxicológica de Pernambuco (Ceatox-PE) registrou 1.775 atendimentos por meio do contato via o 0800.722.6001. Os números registrados esse ano representam um aumento de 8% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram contabilizados 1.631 atendimentos. O trabalho do Ceatox é o de auxiliar profissionais de saúde na conduta com pacientes que tiveram algum acidente com animais peçonhentos ou intoxicações exógenas. O 0800 do Centro também está disponível para tirar dúvidas da população. O serviço do Ceatox funciona 24 horas por dia.

“Observamos que o maior quantitativo de acidentes, seja envolvendo animais peçonhentos, em específico o escorpião, e as intoxicações por medicamentos, acontecem em crianças. É muito importante ter cuidado com o armazenamento de cosméticos, medicamentos e produtos de limpeza dentro das residências. Acontecendo acidente, o Ceatox está à disposição para orientar a população e, principalmente, para fazer o acompanhamento do caso em parceria com os profissionais de saúde responsáveis pelo atendimento do paciente”, destaca a coordenadora do Ceatox-PE, Lucineide Porto.

ESCORPIÃO

Os acidentes envolvendo escorpiões somaram, de janeiro a junho, 674 atendimentos (em 2017, no mesmo período, foram 610). No levantamento, foi observado que o maior quantitativo foi na faixa etária de 1 a 4 anos (145). Ocorrendo o acidente, a indicação é lavar o local atingido apenas com água e sabão. Se a vítima for uma criança de até 12 anos, que tem risco de morte, pode haver indicação do uso do soro contra o veneno. Vale ressaltar que menores picados por escorpiões obrigatoriamente não necessitam tomar o soro específico, o que será decidido pela equipe médica do caso.

No Estado, o soro antiescorpiônico está disponível no Hospital da Restauração (Recife), Hospital Jaboatão-Prazeres (Jaboatão dos Guararapes) e Hospital João Murilo (Vitória de Santo Antão). No interior, nos hospitais regionais de Limoeiro, Palmares, Garanhuns, Arcoverde, Afogados da Ingazeira, Serra Talhada, Salgueiro, Ouricuri e Petrolina, além do Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru.

Para evitar as ocorrências, a população precisa estar atenta com a concentração de entulhos e lixo próximo a residência, tapar buracos e frestas existentes, limpar constantemente ralos de banheiros, além de evitar a presença de baratas e outros insetos, principais presas do escorpião. Se a população observar presença do animal nas residências, é necessário entrar com contato com a vigilância ambiental municipal e solicitar uma visita ao imóvel.

SERPENTES

Outra demanda do Centro envolve picadas por serpentes. O primeiro semestre representou um total de 322 atendimentos no Estado e, diferentemente dos casos envolvendo os escorpiões, os que aconteceram com serpentes foram em maior quantidade na faixa etária que compreende aos adultos jovens (20 a 39 anos).

Em caso de picada, também é preciso lavar o local atingido apenas com água e sabão. Em seguida, é preciso ir até uma unidade que tenha o soro contra o veneno. Em Pernambuco, o antídoto é disponibilizado no Recife (Hospital da Restauração), Caruaru (Hospital Mestre Vitalino), Arcoverde (Hospital Ruy de Barros Correia), Serra Talhada (Hospital Prof. Agamenon Magalhães), Salgueiro (Hospital Inácio de Sá), Ouricuri (Hospital Fernando Bezerra) e Petrolina (Hospital Universitário).

CHUMBINHO

As intoxicações também representam um importante quantitativo de atendimentos no Ceatox. No primeiro semestre, 171 casos tiveram relação com um agrotóxico agrícola popularmente conhecido como chumbinho, que é utilizado ilegalmente como raticida. O número representa uma redução de 15% em relação a 2017 (203 casos). Contudo, os óbitos do período permaneceram inalterados: 21 em cada ano. O produto é vendido criminosamente e clandestinamente como eficiente para matar ratos, o que não é verdade. “O chumbinho não é eficaz contra as colônias de rato. Esse produto ainda é perigoso para os seres humanos, pois sua ingestão pode causar o óbito em poucas horas”, avisa.

O chumbinho causa problemas no sistema nervoso, respiratório, cardiovascular, digestivo. Depois da ingestão, a pessoa, pode apresentar diminuição dos batimentos cardíacos, dor abdominal, distúrbios neurológicos, e dificuldade de respirar. O produto ainda pode contaminar uma pessoa no simples contato com a pele ou respiração. Em caso de ingestão, dependendo da quantidade, pode levar à morte.

MEDICAMENTOS

Na primeira metade do ano, foram atendidas 608 pessoas apresentando quadro de intoxicação medicamentosa, sendo 156 delas crianças entre 1 e 4 anos. No primeiro semestre do ano passado, foram atendidas 145 pessoas na mesma faixa etária. “Os pais ou responsáveis precisam ficar atentos ao armazenamento dos fármacos, que muitas vezes são coloridos e podem ser confundidos por alguma guloseima. É importante que os medicamentos fiquem guardados em locais altos ou em recipientes trancados”, diz a coordenadora do Ceatox.   


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.