Manágua Caso Raynéia: governo de Pernambuco aciona a Corte Interamericana de Direitos Humanos O corpo da estudante já foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) da Nicarágua, mas ainda sem o atestado de óbito, e, por enquanto, não há data prevista para a chegada ao Recife

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 27/07/2018 09:33 Atualizado em:

O governo de Pernambuco irá pedir que se apure as circunstâncias em que a pernambucana foi morta.
Foto: Reprodução/Facebook. (O governo de Pernambuco irá pedir que se apure as circunstâncias em que a pernambucana foi morta.
Foto: Reprodução/Facebook.)
O governo de Pernambuco irá pedir que se apure as circunstâncias em que a pernambucana foi morta. Foto: Reprodução/Facebook.
Uma representação irá solicitar à Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) a adoção de medidas urgentes no caso da estudante Raynéia Gabrielle Lima, de 30 anos, assassinada na última segunda-feira (23/07), na cidade de Manágua, capital da Nicarágua. O documento será encaminhado por meio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) e Ministério das Relações Exteriores (MRE). O governo irá pedir que se apure as circunstâncias em que a pernambucana foi morta.

"Optamos pela medida diante da presunção do homicídio ter sido de natureza política. Não é possível que essa menina seja assassinada, metralhada e não se chegue a nenhuma conclusão. Isso é uma ameaça aos Direitos Humanos. É uma ameaça, inclusive, a Convenção de San José da Costa Rica, que estabelece a declaração de Direitos Humanos na América Latina", afirmou o secretário.

O prazo máximo dado pela CIDH para início do procedimento é de 90 dias. A Nicarágua faz parte da Organização dos Estados Americanos (OEA) e, por esse motivo, poderá ser notificada e terá que prestar esclarecimentos à Corte. O corpo da estudante de medicina já foi liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) daquele país, mas ainda sem o atestado de óbito, e, por enquanto, não há data prevista para a chegada ao Recife.

Ainda de acordo com Pedro Eurico, o estado irá assumir integralmente os custos do translado do corpo da pernambucana. "Já entramos em contato com a única casa funerária que presta o serviço de repatriação e embalsamamento em Manágua e com a companhia aérea que irá realizar o deslocamento do corpo. O nosso desejo é que Raynéia seja sepultada o quanto antes, perto da sua família", disse.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.