Violência Plataforma colaborativa registra média de 4 tiros por dia no Grande Recife Dados fazem parte da plataforma Fogo Cruzado que, em 100 dias, registrou 411 disparos na RMR

Publicado em: 14/07/2018 08:19 Atualizado em: 14/07/2018 10:24

Foto:	Paulo Paiva / DP (Paulo Paiva / DP)
Foto: Paulo Paiva / DP

A plataforma digital colaborativa Fogo Cruzado registrou, em apenas 100 dias, cerca de 411 disparos de arma de fogo no Recife e região metropolitana, com saldo alarmante de 319 vítimas fatais  e 150 feridos, sendo 29 vítimas de duplo e triplo homicídio.

O relatório produzido durante os 100 dias de análise do Fogo Cruzado constatou que na região metropolitana do Recife, foram registrados registrados, em média, 3 mortes por disparo de arma de fogo por dia e no Recife, a média é de 1 morte por dia.

Nos 100 dias do relatório, maio foi o mês com o maior índice de disparos, com 133, e de homicídios, registrando 100 vítimas. O mês com mais feridos foi junho, tendo 59.

Recife lidera os índices com 151 registros de disparos de arma de fogo, seguido de Jaboatão dos Guararapes (56), Olinda (37), Cabo de Santo Agostinho (36) e Igarassu (33).
Os bairros da Região Metropolitana que possuem o maior número de disparos de arma de fogo registrados foram: Ibura (19), Cohab de Recife (13), Centro de Igarassu (10), Iputinga de Recife, Peixinhos de Olinda e Piedade de Jaboatão dos Guararapes (com 8 cada).

No período do primeiro relatório, foram registrada 37 notificações ocorridas dentro da residência das vítimas. Cerca de 91% dos feridos e 97% dos mortos por disparos de arma de fogo registrados na Região Metropolitana de Recife são homens, sendo 70% das notificações houve vítimas fatais e apenas 8,8% das notificações não tiveram vítimas informadas.

FOGO CRUZADO


O fogo cruzado é uma plataforma digital colaborativa que tem o objetivo de registrar a incidência de tiroteios e violência armada, inicialmente  na região metropolitana do rio de janeiro, e se ao Recife e RMR. Ele funciona através de um aplicativo para tecnologia mobile combinado a um banco de dado, como informações recolhidas via imprensa e canais das autoridades policiais. Quando chega a notificação de um tiroteio ou disparo de arma de fogo, esta informação não é automaticamente publicada no mapa e nas redes sociais do aplicativo.
 
A equipe de gestão de dados cruza a notificação com scripts e filtros desenvolvidos para agregar informações sobre disparos de arma de fogo. Assim, é possível saber quem, quando e onde está se falando sobre o assunto de forma a cruzar informações sobre um mesmo tiroteio ou disparo de arma de fogo. Após a verificação dos dados, a notificação é postada nas redes e o incidente fica em registro público.
 
Em Pernambuco, o Fogo Cruzado vem sendo operado por pesquisadores do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas de Segurança Pública (NEPS) da Universidade Federal de Pernambuco.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.