CASO ALDEIA Polícia localiza 90% do corpo do médico assassinado em Aldeia O tronco e a cabeça foram achados a 25 metros de profundidade; Polícia ainda não sabe quando sairá o resultado da perícia

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 12/07/2018 18:07 Atualizado em: 12/07/2018 19:25

Foto: Facebook/Reprodução (Foto: Facebook/Reprodução)
Foto: Facebook/Reprodução
Na tarde desta quinta-feira (12), o chefe da Polícia Civil, Joselito Kerhle, afirma ter localizado 90% do médico Dernison Paes, de 54 anos, assassinado em Aldeia. O tronco e a cabeça foram achados a 25 metros de profundidade, com grande quantidade de metralha e areia na superfície. As buscas foram encerradas nesta noite. 

Os restos mortais estavam em avançado estado de putrefação. Além da parte óssea, foram encontrados partes do tecido, músculo e pele. Todo o material coletado será encaminhado ao Instituto de Medicina Legal para perícia tanatoscópica e poderá ser submetido ao exame toxicológico, para saber se houve envenenamento. 

"Houve um avanço significativo nas investigações desta quinta-feira. O que nos motiva é aguardar as perícias que estão sendo realizadas. Já tivemos o resultado positivo da perícia do DNA e, agora, a perícia da definição, através do exame necroscópico, da causa da morte", alega Joselito. A polícia ainda não sabe quando será concluído os exames. 
 
O crime

O corpo do médico cardiologista Denirson Paes Silva, de 54 anos, foi encontrado no dia 4 de julho, dentro do poço no Residencial Torquato Castro, onde ele residia com a família, no km 13 da estrada de Aldeia. A mulher da vítima, a farmacêutica Jussara Rodrigues da Silva Paes, e um dos filhos do casal, o engenheiro civil Danilo Paes, de 23 anos, foram autuados em flagrante por ocultação de cadáver. 

O desembargador Antônio de Melo e Lima, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), indeferiu na manhã desta quinta-feira (12) o pedido de habeas corpus de Jussara Rodrigues e Danilo Paes. Os dois são suspeitos do assassinato e ocultação de cadáver do médico Denirson Paes. 

Os dois permanecem presos temporariamente, ela na Colônia Penal Feminina do Recife e ele no Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna. A polícia vai pedir a prorrogação da prisão temporária, por mais 30 dias. 





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.