Nesta sexta OAB repudia prisão de advogado em Caruaru Profissional é acusado de desacato a autoridade policial enquanto participava de um ato no Sindicato dos Vigilantes

Publicado em: 06/07/2018 11:16 Atualizado em:

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), secção Pernambuco, divulgou nota nesta sexta-feira (6) em repudio a atitude de policiais militares lotados em Caruaru, que, nesta quinta-feira prenderam o advogado Sávio Delano Vasconcelos Pereira. O profissional está sendo acusado de desacatar um tenente do Batalhão Integrado Especializado (Biesp) Guipson Souza, durante a realização de uma assembleia do Sindicato dos Vigilantes, no bairro Divinópolis, naquela cidade do Agreste. Sávio Delano chegou a ser algemado e colocado à força dentro de um camburão da PM, conforme nota divulgada, assinada pelo presidente da OAB-PE, Ronnie Press Duarte. 

De acordo com o Biesp, os policiais envolvidos na ocorrência haviam solicitado a finalização de um evento do sindicato, quando o advogado teria desacatado o tenente do batalhão. Em seguida foi dada a ordem para que o advogado fosse conduzido para a delegacia para a realização de um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). O advogado alega que foi impedido de permanecer no local e diz que a prisão foi arbitrária. O advogado prestou depoimento na 1ª Delegacia de Caruaru e foi liberado. 

A OAB alega que a conduta dos militares violou o artigo 7°, Parágrafo 3°, do Estatuto da Advocacia e da OAB. A entidade disse que vai entrar com uma representação na Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social para que os responsáveis pelos atos, considerados arbitrários, abusivos e violadores das prerrogativas da categoria, sejam devidamente punidos. A OAB informou ainda que está prestando assistência por meio da subseção da OAB em Caruaru e da Comissão de Defesa, Assistência e Prerrogativas (CDAP) da Ordem no estado. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.