recuperação Após quatro anos de reformas, Mercado Eufrásio é reinaugurado nesta quinta Mercado Eufrásio Barbosa (MEB) entra em cena com uma nova proposta e promete ser um dos principais pontos de cultura, turismo e lazer do estado

Por: Tânia Passos - Diário de Pernambuco

Publicado em: 05/07/2018 10:01 Atualizado em: 05/07/2018 20:16

Obras custaram cerca de R$ 20 milhões por meio do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur). Foto: Hesíodo Goes/Divulgação
Obras custaram cerca de R$ 20 milhões por meio do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur). Foto: Hesíodo Goes/Divulgação
O Mercado Eufrásio Barbosa (MEB), que será entregue nesta quinta-feira (5) para o público, no Varadouro, em Olinda, revela um novo momento que vai além da recuperação do espaço físico, após quatro anos de reforma, que custaram cerca de R$ 20 milhões por meio do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur). O MEB entra em cena com uma nova proposta e promete ser um dos principais pontos de cultura, turismo e lazer do estado. Além da diversidade cultural, Olinda é uma das cidades mais visitadas pelos turistas e o mercado será a porta de entrada.
 
Outro diferencial será a gestão do espaço que será feita pela Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper) com a participação da Prefeitura. O atual modelo foi aprovado na Câmara de Vereadores e prevê a exploração econômica e os requisitos necessários para a operação no local. O novo Centro de Arte Popular vai funcionar em toda sua plenitude até o fim do ano.

O MEB abrirá com uma exposição do artista Bajado, o Museu do Mamulengo, a livraria do Cepe e um café e duas exposições: uma de Tânia Carneiro Leão, neta de Eufrásio Barbosa e outra sobre os pioneiros, que mostrará trabalhos de artistas das décadas de 1960 e 1970. Essas duas exposições terão a curadoria de Raul Córdoba. “Em outro momento, nós teremos a abertura dos boxes, do restaurante e das três escolas que funcionarão no mercado de artesanato, dança e gastronomia”, explicou a secretaria-executiva do Prodetur, Manuela Marinho.

O mercado também terá uma exposição permanente da artista plástica Janete Costa, o espaço já reservado será inaugurado nos próximos dois meses. “A artista já está com uma exposição na Fenearte e achamos melhor adiar para um outro momento”, explicou Joana Chaves, coordenadora do mercado.
 
No processo de recuperação do mercado foi descoberto um olho d’água no quintal que foi todo reformulado. “Foi criado um espaço de convivência com um jardim e foi feito também o aproveitamento do olho d’água e futuramente poderá servir para abastecer o próprio mercado”, explicou José Luiz, secretário de Patrimônio, Cultura, Turismo e Desenvolvimento de Olinda.

A ideia também é relocar a praça de táxi existente em frente ao mercado para oferecer mais estacionamento. “Nós vamos deixar a praça de táxi em um ponto próximo ao mercado e abrir espaço para cinquenta vagas de estacionamento”, revelou João Luiz. O MEB vai funcionar inicialmente de terça a sábado das 9h às 13h. “Com todas as operações em funcionamento esse prazo será estendido e funcionará também aos domingos”, firmou Joana Chaves.

No Mercado Eufrásio Barbosa funcionou a primeira Casa da Alfândega de Pernambuco e na metade do século 20, virou a Fábrica de Doces Amorim Ltda. Só em 1990 foi reaberto como mercado público. Sua construção é datada dos séculos 17 e 18. Com planta retangular, em plano único e alvenaria de tijolos, as fachadas são todas rebocadas, sendo a principal com aberturas em arcos plenos e platibanda retangular. Apesar de o prédio original ter passado por algumas reformas, o monumento continua preservado e faz parte da riqueza do conjunto arquitetônico da Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade. O prédio é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.