Nesta sexta Após cinco anos fechada, Igreja de São Pedro dos Cléricos reabre portas para celebrar o santo pela primeira vez Duas celebrações estão programadas, uma meio-dia e outra, às 18h. Será realizada a tradicional bênção das chaves, de casas, carros e motos

Por: Ana Paula Neiva - Diário de Pernambuco

Publicado em: 29/06/2018 08:11 Atualizado em: 29/06/2018 15:32

Fotos: Júlio Jacobina/DP
Fotos: Júlio Jacobina/DP

Após cinco anos fechada, a Concatedral de São Pedro dos Cléricos, localizada no Pátio de São Pedro, no Recife, reabre suas portas nesta sexta-feira (29) para homenagear o santo que ganhou a fama de ser o “porteiro do céu”, o controlador das almas no paraíso. Duas missas estão programadas ao longo do dia. A primeira celebração acontece ao meio-dia e a outra, às 18h. Após as cerimônias, serão concedidas bênçãos aos fiéis, inclusive de chaves de casas, carros e motos. As celebrações serão transmitidas pela Rádio Olinda. As missas no templo estão sendo celebradas todas as quartas-feiras, sempre ao meio-dia.  
 
Fechada desde dezembro de 2012 para reformas, a Igreja de São Pedro dos Clérigos, localizada no Pátio de São Pedro, no Recife, teve sua parte estrutural reparada, mas o templo continuava fechado para missas e visitações turísticas. Os trabalhos foram concluidos em 2016. O templo não tinha sido reaberto ainda porque aguardava por uma limpeza geral. Desde 1938, a igreja, o pátio e casario são tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

Fotos: Júlio Jacobina/DP
Fotos: Júlio Jacobina/DP

Cartão-postal do Recife, igreja de São Pedro é a única na cidade em homanagem ao santo. De estilo barroco, começou a ser construída em 1728. O templo traz uma porta, única no estado, talhada em pedra de cantaria. A obra custou R$ 2,7 milhões, com recursos do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) das Cidades Históricas. 

São Pedro aparece sempre em quadros e esculturas segurando uma grande chave. Na boca do povo, seus poderes meteorológicos são grandes. É ele quem manda na chuva e pode fazer parar os temporais. Na Igreja Católica, São Pedro é considerado o primeiro papa. Foi quem assumiu a função de coordenar os fiéis, após a crucificação de Jesus Cristo.

História - Pedro era um homem de origem simples, que fez parte do primeiro grupo de 12 apóstolos de Cristo. Junto com seu irmão André e Tiago e João Evangelista, ele integrou o círculo íntimo de Jesus. O simples pescador participou dos mais importante milagres do mestre. Um deles, a cura da sua própria sogra. Em suas andanças, Jesus costumava se hospedar na casa de Pedro, e um dia encontrou a sogra do apóstolo muito doente. Jesus curou a mulher e, em seguida, ela foi servir ao grupo que passava pela residência. 

O primeiro sermão de Pedro foi realizado no dia de Pentecostes. Ele peregrinou por várias cidades. Por pregar o evangelho destemidamente, chegou a ser preso. Uma vez, em Jerusalém, um anjo de Deus o libertou da prisão, passando por vários guardas. Após evangelizar a Igreja em vários lugares, Pedro seguiu para Roma. Lá, liderou a Igreja que se expandia, apesar das perseguições.

A história conta que quando os romanos descobriram onde ele estava, prenderam e o condenaram à morte na cruz, durante o reinado de Nero. Pedro, no entanto, não se sentiu digno de morrer como seu mestre, então pediu que o crucificassem de cabeça para baixo. 

A crucificação ocorreu embaixo do mesmo altar onde, atualmente, o papa Francisco costuma celebrar missas no Vaticano. Os romanos ainda acenderam uma fogueira embaixo da cabeça de Pedro. Por isso se faz fogueira também no dia de São Pedro, que é comemorado na data de sua morte, 29 de junho. Os restos mortais do santo encontram-se no altar da Igreja de São Pedro, em Roma. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.