INCLUSÃO Unicamp e UFsCar realizam vestibular indígena com provas no Recife Na UFsCar, que já realizou onze vestibulares indígenas, cursos mais procurados são das áreas de educação e saúde, considerados estratégicos para aplicar conhecimento nas comunidades.

Por: Osnaldo Moraes

Publicado em: 24/06/2018 13:29 Atualizado em:

Unicamp agrega conhecimento da UFsCar que em onze vestibulares inclui indígenas na comunidade acadêmica. Foto: Ricardo Adorno-Unicamp/Divulgação (Unicamp agrega conhecimento da UFsCar que em onze vestibulares inclui indígenas na comunidade acadêmica. Foto: Ricardo Adorno-Unicamp/Divulgação)
Unicamp agrega conhecimento da UFsCar que em onze vestibulares inclui indígenas na comunidade acadêmica. Foto: Ricardo Adorno-Unicamp/Divulgação
A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) vai realizar seu primeiro Vestibular Indígena, com inscrições programadas para o período de 15 de agosto a 14 de setembro e provas realizadas no dia 2 de dezembro, em quatro municípios fora de São Paulo, incluindo 
Recife, Manaus e São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, e Dourado, no Mato Grosso do Sul. Segundo informações da universidade, a iniciativa ocorre após a realização de uma reunião pela Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) sobre a experiência de dez anos da Universidade Federal de São Carlos (UFsCar), também em São Paulo. 

A participação de duas representantes da UFsCar no evento “Vestibular Indígena” permitiu a troca de experiências com a universidade parceira da Unicamp em seu primeiro vestibular específico para populações indígenas. Participaram da reunião a pró-reitora de graduação da Unicamp, Eliana Amaral, coordenadores da Comvest e docentes da Unicamp que têm pesquisas envolvendo temas relacionados aos povos indígenas. Além disso, ocorreu a criação do Grupo de Trabalho “Inclusão Indígena na Unicamp”, com representação de estudantes, corpo docente e de pesquisa, para propor estratégias de acolhimento e acompanhamento de estudantes indígenas.

Pela UFsCar, participaram da reunião Tainá Veloso Justo, da coordenadoria de ingresso na graduação, e Thaís Palomino, da coordenadoria de relações étnico-raciais da Secretaria de Ações Afirmativas, Diversidade e Equidade. As duas representantes apresentaram o panorama de dez anos e onze vestibulares indígenas aplicados, abordando a experiência do ingresso de integrantes dos povos indígenas e da permanência e relacionamento com a comunidade universitária. 

Segundo Tainá Veloso Justo revelou no evento realizado na Unicamp, os cursos mais procurados por estudantes indígenas na UFsCar são das áreas de educação e da saúde, considerados por eles como mais estratégicos, na medida em que podem aplicar o conhecimento nas comunidades. “Se você tem um estudante indígena formado em um campo da saúde, você tem um profissional com um conhecimento ampliado, que possui as duas linguagens e pode trabalhar de duas formas distintas”, disse.

Vestibular Indígena unificado - A Comvest anunciou que divulgaria neste mês o edital com as informações completas sobre o processo do Vestibular Indígena. Segundo o coordenador executivo da Comvest, José Alves de Freitas Neto, a parceria com a UFsCar, consiste em fazer um vestibular unificado, tendo um processo conjunto até a etapa das chamadas, que serão simultâneas. “Essa dinâmica tem o objetivo de facilitar o processo para os estudantes indígenas, que prestarão uma única prova, elaborada pela Unicamp, e poderão escolher entre as diversas opções de cursos das duas universidades”, afirmou. “A parceria nos traz uma importante experiência anterior, que possibilita nos apropriarmos desses conhecimentos e oferecer o melhor processo possível, tanto na elaboração da prova como durante o percurso acadêmico desses estudantes na Unicamp”, completou.

*Com informações de Juliana Sangion/Unicamp.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.