São João Sítio Trindade recebe a primeira noite do Concurso de Quadrilhas Juninas do Recife O evento continua até o dia 30, iniciando sempre as 20h. Assista as apresentações dessa terça-feira e confira a programação dos próximos dias

Por: Samuel Calado - Redes Sociais

Publicado em: 13/06/2018 02:27 Atualizado em: 13/06/2018 04:21

A última da noite foi a Junina Raio de Sol, do bairro de Águas Compridas, em Olinda. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
A última da noite foi a Junina Raio de Sol, do bairro de Águas Compridas, em Olinda. Foto: Samuel Calado/Esp.DP

A primeira noite de eliminatórias do 34º Concurso de Quadrilhas Juninas do Recife aconteceu nessa terça-feira (13), no Sítio Trindade, no bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife. Três grupos se apresentaram no palhoção diante dos jurados e da plateia na arquibancada. O Diario realizou a cobertura do evento nas plataformas Facebook e Instagram. 

A Junina Renascer homenageou o escritor Ariano Suassuna, falecido em 2014. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
A Junina Renascer homenageou o escritor Ariano Suassuna, falecido em 2014. Foto: Samuel Calado/Esp.DP

A primeira da noite foi a Junina Renascer, do município de Araçoiaba, na Região Metropolitana do Recife. O grupo fez uma homenagem a obra O auto do reino do sol, de Ariano Suassuna. Segundo o universitário Almir Santana, que interpretou o príncipe na quadrilha, amor e dedicação são duas palavras que definem a vivência dos quadrilheiros. "Nós ensaiamos durante o ano inteiro e nos esforçamos para mostrar às pessoas um excelente espetáculo. Quando estou dançando eu sinto uma emoção total. Esqueço de todos os problemas", relatou. 

Futurismo e diversidade maracaram a segunda quadrilha da noite. A Junina Arrocha o Nó levou para o palhoção a efervescência do imaginário, da tradição e da ciência. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Futurismo e diversidade maracaram a segunda quadrilha da noite. A Junina Arrocha o Nó levou para o palhoção a efervescência do imaginário, da tradição e da ciência. Foto: Samuel Calado/Esp.DP

Em seguida, a Quadrilha Arrocha o Nó tormou conta do palhoção. O grupo do bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife, apresentou o espetáculo futurista A top da galáxia. O tema fez a ligação entre a tradição e a ciência por meio de uma linguagem alegre e descontraída. Os brincantes levaram para o forródromo uma nave gigante, astros, estrelas, astronautas e extraterrestres. 

Junina Arrocha o Nó, do bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Junina Arrocha o Nó, do bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife. Foto: Samuel Calado/Esp.DP

O bailarino Pedro Hill disse que o grupo estava trazendo um São João diferente com o objetivo de animar os arraiais onde irão se apresentar. "Passamos muitas dificuldades, mas tudo é recompensado quando dançamos. Mostramos a fraternidade que existe em nossa família através dos sorrisos e da felicidade em participar deste ciclo tão importante para a nossa cultura", contou. 

As apresentações começaram nessa terça-feira. Na foto, a Quadrilha Junina Raio de Sol. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
As apresentações começaram nessa terça-feira. Na foto, a Quadrilha Junina Raio de Sol. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
A última da noite foi a Junina Raio de Sol, do bairro de Águas Compridas, em Olinda. O grupo enalteceu a terra, a fartura na plantação e a luta do povo nordestino pela garantia do alimento de cada dia com o tema Ventre Chão, Sagração: por um dia de graça. Durante a apresentação, a junina trouxe para o palhoção um coral infantil que contou com chuvas de prata e efeitos visuais.

A quadrilha Raio de Sol evidenciou a imagem do nordestino religioso e do trabalhador rural. Foto: Samuel Calado/Esp.DP
A quadrilha Raio de Sol evidenciou a imagem do nordestino religioso e do trabalhador rural. Foto: Samuel Calado/Esp.DP

A emoção tomou conta da arquibancada do início ao fim, tanto pelas coreografias bem marcadas quanto pelo tema abordado. No final da apresentação, as pessoas aplaudiram de pé o grupo fundado em 1995. Segundo o bailarino José Valdomiro (Menininho), que interpretou o noivo da Raio, levar uma apresentação como essa diante da situação política que o país está enfrentando é bastante importante e audacioso. "Estamos trazendo uma reflexão sobre o momento que estamos vivendo através de um tema sensível e especial. Ventre chão é quem nos alimenta, quem nos dá força e nos mantém de pé", explicou. 

A bailarina Fia Cachinhos, que encenou a noiva, falou sobre a importância das quadrilhas dentro das comunidades e o papel social que exercem entre as pessoas em vulnerabilidade social. "A cada ano trazemos uma nova proposta e todo o trabalho é fruto de longas horas de estudos. Nada é por acaso. Existe uma troca enorme de saberes. Antes de criticar, é preciso conhecer a militância de cada junina e compreender a essência de cada uma”, ressaltou.  

O público que vai até o palhoção do Sítio Trindade é assíduo e comparece, em sua maioria, em todas as edições. A comerciante Cristiane Soares Paulino ficou encantada no primeiro dia e disse que não perde uma noite do concurso. “É importante valorizar a nossa identidade. Admiro muito a garra dos quadrilheiros, que mesmo diante das dificuldades que enfrentam, apresentam grandiosos espetáculos”, contou.  O psicólogo Anilton Barbosa disse que sente muito orgulho em ser pernambucano. “O nosso estado é multicultural, composto com uma infinidade de ritmos, costumes e crenças. Tudo isso faz com que nós sejamos um povo plural”, explicou. O estudante Alexandre Augusto, disse que procura sempre sentar no mesmo local da arquibancada, próximo ao palco, para assistir as juninas de perto. “Eu não perco uma apresentação e quando venho, trago todos os amigos. É uma alegria só”, falou.   

Dois grupos que estavam na grade de apresentação não conseguiram chegar a tempo e foram desclassificados. São eles as juninas Portal do Sertão, que se apresentaria às 20h45, e a Mistura Matutada, da cidade de Caruaru, no Agreste pernambucano. O Concurso continua até o dia 30, a partir das 20h. Assim como na edição anterior, a equipe de Redes Sociais pretende realizar a cobertura completa do evento em tempo real na plataformas Facebook e Instagram. 



Assista as apresentações da noite dessa terça-feira:

1. JUNINA RENASCER 


2. JUNINA ARROCHA O NÓ 


3. JUNINA RAIO DE SOL 


Confira a programação dos próximos dias 

13/06 
 
20h - Explosão Coroense 
20h45 - Junina Xamego de Menina 
21h30 - Junina Tradição 
22h15 - Junina Traque 
23h - Lumiar 

14/06
 
20h - Junina Menina de Ouro 
20h45 - Junina Coração 
21h30 - Junina Brilho de Ouro 
22h15 - Junina União 
23h - Junina Flor de São João 

15/06

20h - Junina Evolução 
20h45 - Junina Matutada 
21h30 - Origem Nordestina 
22h15 - Zé Matuto 
23h - Junina Tom Maior 
23h45 - Brigões de Suape 

19/06 
 
20h - Junina Mastruz com Leite 
20h45 - Junina Fogueir'art 
21h30 - Quadrilha Junina Quentão 
22h15 - Junina Mandacaru 
23h - Junina Bacamarte 

20/06 

20h - Junina Matutinho 
20h45 - Flor da Sulanca 
21h30 - Junina Traquejo 
22h15 - Beija Flor 
23h - Dona Matuta 

21/06 
 
20h - Junina Cariri 
20h45 - Mistura de Cor 
21h30 - Junina Forró Fiá 
22h15 - Vai Vai na Roça 
23h - Cambalacho 

22/06 

20h - Junina Xotear 
20h45 - Estrela Matutada 
21h30 - Chá de Zabumba 
22h15 - Magia Matuta
23h - Junina Raízes 
23h45 - Junina Zabumba 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.