DEMANDA "Não há risco de faltar gás de cozinha", garante direção do Porto de Suape Fiscalizações a distribuidoras e revendedoras vêm sendo feitas sistematicamente pelo Procon-PE

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 05/06/2018 20:41 Atualizado em: 05/06/2018 20:59

Foto: Divulgação (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação

Na tarde desta terça-feira (5), representantes da Liquigaz, Copagaz, Supergasbras, Ultragaz e Nacional Gás se reuniram com a administração do Porto de Suape para esclarecer à população sobre o abastecimento do gás de cozinha. 

De acordo com a direção de Suape, "desde o fim da manifestação dos caminhoneiros e da liberação da Avenida Portuária, no dia 30, todas as empresas estão trabalhando em regime especial para que a situação seja normalizada no menor espaço de tempo possível para atender da melhor forma à demanda reprimida de 10 dias por botijões de gás de cozinha". 

As cinco empresas abastecem, em dias normais, uma média de 104 mil botijões por dia em Suape. Nesse período pós-paralisação, a produção subiu para 135 mil botijões/dia, um crescimento de aproximadamente 30%.

Desde o último dia 30 até a noite de segunda-feira (4), 1.189 caminhões carregados com botijões de gás de cozinha deixaram as empresas para abastecer as cidades pernambucanas e de outros Estados da região. 

"Gostaríamos de tranquilizar a população e afirmar que não há risco de faltar gás de cozinha. A dificuldade das distribuidoras se dá, exclusivamente, pela demanda reprimida, situação que será normalizada nos próximos dias", garante a direção de Suape. 

Fiscalizações a distribuidoras e revendedoras vêm sendo feitas sistematicamente pelo Procon/PE, com o objetivo de coibir os estabelecimentos de praticarem a venda dos botijões com valores abusivos. Denúncias podem ser feitas ao órgão de defesa do consumidor através do número 0800-282-1512. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.