SAÚDE Ameaça nem sempre visível, câncer da superfície ocular pode se revelar em consultas de rotina Doença pode acometer sobretudo fumantes e pessoas com exposição excessiva à radiação solar, porém, tratameto através de procedimento cirúrgico garante recuperação rápida

Por: Ketheryne Mariz

Por: Estúdio DP | Conteúdo Patrocinado

Publicado em: 24/04/2018 16:27 Atualizado em: 26/04/2018 12:57

"Tive medo de não conseguir mais enxergar. Meus olhos são tudo: com eles eu vejo a natureza, a minha filha...", conta a autônoma Ellen Paz. Foto: Shilton Araújo/Especial para o Estúdio DP
"Tive medo de não conseguir mais enxergar. Meus olhos são tudo: com eles eu vejo a natureza, a minha filha...", conta a autônoma Ellen Paz. Foto: Shilton Araújo/Especial para o Estúdio DP

Cores, festas e decorações fazem parte da vida cotidiana da autônoma Ellen Paes, 43 anos. Recentemente, contudo, o horizonte se tornou nebuloso: uma “carne” crescida nos olhos fez com que ela temesse perder a visão. A princípio, por não doer, nem incomodar, Ellen decidiu esperar o dia da visita de rotina ao oftalmologista. Foi quando, para sua surpresa, descobriu a suspeita de um tumor maligno e foi encaminhada para tratamento cirúrgico. 

“A gente sempre acha que só acontece com os outros. Tive medo de não conseguir mais enxergar. Meus olhos são muito importantes, eles são tudo. Com eles eu vejo a natureza, a minha filha... e consigo fazer meu trabalho”, exalta a autônoma, que trabalha com produção de festas. Hoje, passados quase dois meses de cirurgia, Ellen define o caso como um sucesso. A paciente afirma que teve que usar um tampão no olho direito por apenas 24 horas. “Usei uma lente de contato por duas semanas, colocada durante a cirurgia para ajudar na cicatrização. Meu olho não inflamou, em pouco tempo eu conseguia olhar a luz sem queixas. Por ter olhos verdes, sempre fui muito sensível à luz do sol”, explica.

A autônoma fez uso de tampão sobre os olhos por apenas 24 horas. Com olhos claros, sempre teve sensibilidade à luz. Foto: Shilton Araújo/Especial para o Estúdio DP
A autônoma fez uso de tampão sobre os olhos por apenas 24 horas. Com olhos claros, sempre teve sensibilidade à luz. Foto: Shilton Araújo/Especial para o Estúdio DP
Assim como a autônoma, vários pacientes já foram consultados e diagnosticadas no consultório da médica oftalmologista Cecília Cavalcanti, responsável pelo tratamento de Ellen. A médica, formada em oftalmologia pela Fundação Altino Ventura - FAV e especialista em oncologia ocular pela Universidade Federal de São Paulo UNIFESP-EPM, trabalha atualmente na FAV e no Hospital de Olhos de Pernambuco (HOPE), lugar onde foi realizada a cirurgia de Ellen Paz. Ela afirma que, por vezes, o câncer da superfície ocular pode ser assintomático e, por isso, se faz tão importante que as pessoas compareçam a consultas oftalmológicas regularmente.

“A doença pode ser visível ou silenciosa. Alguns pacientes são assintomáticos, de modo que o problema só é percebido nos exames de rotina. Outros conseguem ver lesões, manchas escuras e até tumorações”, conta a especialista. Irritação ocular, sangramento, acúmulo de secreção e lacrimejamento são alguns dos sintomas que podem acometer um paciente com câncer na superfície ocular. 

Segundo a médica oftalmologista Cecília Cavalcanti, irritação ocular, sangramento e acúmulo de secreção são alguns dos principais sintomas da doença. Foto: Rafael Martins/Estúdio DP
Segundo a médica oftalmologista Cecília Cavalcanti, irritação ocular, sangramento e acúmulo de secreção são alguns dos principais sintomas da doença. Foto: Rafael Martins/Estúdio DP
A médica explica que o tratamento, na maioria das vezes, é feito por intervenção cirúrgica. Normalmente, as lesões que são de tamanho pequeno a médio passam por uma biópsia excisional, a fim de remover a lesão por completo e com segurança. Em caso de tumores de maiores proporções, pode ser utilizada a quimioredução – quando colírios de quimioterapia são aplicados para reduzir o tamanho da lesão e assegurar o sucesso da cirurgia.

Entre os fatores de risco para desenvolvimento desse tipo de câncer, destaca-se o tabagismo: pacientes fumantes ou que fumaram há muito tempo têm uma predisposição maior a desenvolver a doença. Além deles, pacientes que sofrem exposição excessiva aos raios ultravioletas, bem como idosos e pacientes imunodeprimidos ou que façam uso de medicação que enfraqueça o sistema imunológico. 

“Quando falo que trabalho com oncologia ocular, muita gente me pergunta se não fico deprimida, chorando em casa... Claro que eu sofro junto com meus pacientes, mas o que eu entendo é que um único caso bem sucedido já vale tudo. É impagável", afirma Cecília.

Ellen foi mais um caso de sucesso. Assim como vários pacientes que buscam assistência no Hope, descobriu o câncer da superfície ocular em consulta de rotina. Foto: Shilton Araújo/Especial para o Estúdio DP
Ellen foi mais um caso de sucesso. Assim como vários pacientes que buscam assistência no Hope, descobriu o câncer da superfície ocular em consulta de rotina. Foto: Shilton Araújo/Especial para o Estúdio DP



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.