• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Acerto MPPE define regras para vaquejada em Surubim O proprietário do parque firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) perante o Ministério Público de Pernambuco

Publicado em: 12/04/2018 10:44 Atualizado em: 12/04/2018 10:57

Caso seja descumprido qualquer uma das obrigações, o dono estará sujeito a multa deR$ 5.000,00 por infração.  Foto: Alcione Ferreira/Arquivo DP
Caso seja descumprido qualquer uma das obrigações, o dono estará sujeito a multa deR$ 5.000,00 por infração. Foto: Alcione Ferreira/Arquivo DP

Com a intenção de implementar medidas necessárias para cuidar do bem-estar dos animais, da segurança e higiene do Parque de Vaquejada Manduri Park Show, em Surubim,  o proprietário do parque firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) perante o Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Caso seja descumprido qualquer uma das obrigações, o dono estará sujeito a multa deR$ 5.000,00 por infração. 

A realização da 5ª edição de vaquejada foi comunicada antecipadamente ao representate do MP, para o controle adequado. Entre as recomendações feitas pelo promotor de Justiça Garibaldi Cavalcanti Gomes da Silva está a de que o proprietário assegure a proteção aos animais e a disponibilização de água e comida para bovinos e equinos, assim como o acompanhamento constante de médicos veterinários, para atender animais em caso de doenças ou lesões. Além disso, houve a proibição de vaqueiros utilizarem freios, esporas ou outro tipo de equipamento que possa causar ferimentos aos bois.

Na parte organizacional da festa, o próprietario deve seguir as normas apresentadas pelo TAC, exemplo, encerrar o show em horário que às 3h  todo tipo de aparelho que emitam som estejam desligados. Deve existir também a cordenação dos vendedores ambulantes, proibição a vendas de bebidas em vasilhames de vidros. O acerto contou também com banheiros sinalizados, o local deve ter pelo menos um médico socorrista  um enfermeiro ou um técnico de enfermagem, bem como os 
respectivos equipamentos para atendimento de urgência e uma ambulância de  plantão, durante o evento.

O evento deve contar ainda com a atuação do Conselho Tutelar e deve solicitar à Polícia Militar e ao Corpo de Bombeiros as devidas licenças e comunicações para garantir a segurança do evento. O Ministério ressalta que qualquer caso de acidente sofrido pelos animais durante a vaquejada  deve ser comunicado de forma imediata e por escrito ao  promotor de Justiça Ambiental, visando proteger a saúde e o bem-estar dos animais. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.