• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Justiça federal Oficial da PM não paga fiança de R$ 300 mil e permanece detido na academia de polícia Tenente-coronel é acusado pela Polícia Federal de manter em casa cinco armas de fogo ilegalmente

Publicado em: 12/04/2018 08:53 Atualizado em: 12/04/2018 13:46

O juiz da 36ª Vara Federal de Pernambuco determinou na tarde da última quarta-feira a fiança no valor de R$ 300 mil para o tenente-coronel da Polícia Militar, Pérsio Araújo Ferraz, 41 anos, que foi autuado pela Polícia Federal por posse ilegal de cinco armas durante Operação Decimus. Como o oficial não pagou o valor, ele permanecerá detido na Academia de Polícia Militar de Paudalho. O tenente-coronel é lotado na Assistência Militar e de Segurança Legislativa da Assembleia Legislativa de Pernambuco. 
 
Pérsio Ferraz foi autuado por posse ilegal de arma de fogo durante a operação da PF, que tinha objetivo de combater irregularidades praticadas por empresas de segurança no estado. O tenente-coronel Pérsio Ferraz prestou depoimento na PF e foi entregue na noite da última quarta-feira aos policiais da Companhia Independente de Operações Especiais, que conduziu o militar para a academia em Paudalho, onde ele permanece custodiado. 

Além dos dois revólveres calibre 38, três pistolas 380, e uma pistola ponto 40 e 150 munições de calibre diversos, a PF apreendeu durante a Operação Decimus, mais de U$ 35,5 mil em espécie e R$ 2,2 mil folhas de cheques. Também foram pegos na casa do oficial carimbos, cartões magnéticos, sete discos rígidos, dez telefones celulares, um Ipad, vasta documentação e cinco notebooks. Segundo a PF, as armas foram apreendidas no apartamento do tenente-coronel, no bairro da Madalena.

Segundo a Assessoria de Comunicação Social da PF, os crimes alvos das investigações estão previstos no artigo 304 (uso de documento ideologicamente falso) e 288 (formação de quadrilha), ambos do Código Penal Brasileiro, além de outros crimes que restarem comprovados, cujas penas somadas variam de 1 a 10 anos de reclusão. Todo o material apreendido passará por uma perícia técnica a fim de subsidiar as investigações da PF.
 
A Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social informou que o tenente-coronel Pérsio Araújo Ferraz é alvo de uma investigação preliminar. Em fevereiro de 2018, o órgão correcional recebeu a denúncia de que o PM seria proprietário de uma empresa de segurança privada. Os trabalhos prosseguem, com dois oficiais da Corregedoria acompanhando as investigações e os procedimentos adotados pela Polícia Federal no caso. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.