• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
HISTÓRIA Exposição que conta a história da Revolução de 1817 vai para Caruaru Ao longo de um ano, a mostra levou cerca de 60 mil pessoas ao Museu da Cidade do Recife e ficará em cartaz por dois meses no Sesc Caruaru

Publicado em: 09/03/2018 22:29 Atualizado em:

A exposição 1817 - Revolução Republicana, em homenagem ao bicentenário da Revolução Pernambucana, será levada em abril para a cidade de Caruaru, no Agreste. Depois de completar um ano de inauguração e exibição no Museu da Cidade do Recife (MCR), dentro do Forte das Cinco Pontas, a mostra que remonta o momento histórico do estado irá ficar em cartaz por dois meses na unidade do Sesc de Caruaru. A data de abertura da exposição no Agreste, entretanto, ainda está em definição.

Para o roteiro itinerante, serão levados os vídeos e cartazes, mas as peças como armas, livros e objetos representativos da revolução voltarão para o acervo do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano (IAHGP). No último dia no Recife, que coincidiu com o feriado da Data Magna do estado, a mostra atraiu público recorde. Cerca de 400 pessoas passaram pelo forte.

A pedagoga Alexsandra Pena, 41 anos, levou os filhos Bárbara, 10, e Victor, 8. “Somos da Bahia, mas moramos no Recife há três anos. É interessante saber que Pernambuco, durante um período, foi considerado um país”, contou ela, enquanto tentava traçar a árvore genealógica dos revolucionários listados nos cartazes exibidos nas paredes. O professor Junior César, 47, também aproveitou o dia livre para conferir a mostra. “Gosto muito de história e já conhecia parte desse fato. É interessante trazer isso para o público, pois acho que mais de 70% da população não conhece esse grande feito que foi instalar uma república em pleno império”, disse.

Para a diretora do MCR, Betânia Corrêa de Araújo, o dia 6 de março é carregado de simbolismo. “É a história de um grupo de pessoas que lutou pela república. A bandeira de Pernambuco traz esse simbolismo, de liberdade, identidade e fraternidade”, disse. Ao longo de um ano, a exposição levou cerca de 60 mil pessoas ao museu da cidade. Somente no último domingo foram 350 visitantes. “A ideia é levá-la também para outras unidades do Sesc espalhadas no estado. Hoje, já existe outra versão circulando enre as escolas estaduais. Atualmente, está em Petrolina”, acrescentou Betânia Corrêa de Araújo.

Até hoje, está sendo realizado no Forte das Cinco Pontas o 1º Congresso Pernambucano de Institutos Históricos Municipais. A ideia é debater as ações realizadas e também fomentar a possibilidade de levar a exposição para outros estados. O encontro é aberto ao público e acontece das 8h45 às 18h.

Comemorações
O primeiro feriado da Data Magna de Pernambuco foi marcado por comemorações. Nem a chuva interrompeu as homenagens no Palácio do Campo das Princesas ao movimento revolucionário. Houve hasteamento da bandeira e a colocação de uma coroa de flores à frente do Monumento aos Heróis da Revolução. “Os valores e os ideais dessa revolução continuam vivos e válidos. É essencial a unidade de todos que, de boa vontade, queiram contribuir para o desenvolvimento de Pernambuco e do Brasil. Essa foi a maior lição que nos deixaram os heróis de 1817”, afirmou o governador Paulo Câmara. A República no estado durou 75 dias.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.