• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
INVESTIGAÇÃO Ministério Público vai vistoriar local de prévia em Aldeia Realização do Guaiamum Treloso Rural é motivo de polêmica entre o Fórum Socioambiental de Aldeia, contrário ao evento, e os organizadores

Publicado em: 12/01/2018 17:29 Atualizado em:

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) fará vistoria na Granja Bem-Te-Vi, no km 13 da Estrada de Aldeia, para se posicionar sobre a realização da prévia carnavalesca Guaiamum Treloso Rural, prevista para o dia 20 de janeiro. Uma audiência será realizada pelo órgão na segunda-feira, às 13h, no Fórum de Camaragibe, para discutir o assunto, que virou motivo de polêmica entre moradores da área e organizadores.

A reunião foi marcada pelo MPPE depois que o Fórum Socioambiental de Aldeia protocolou, na Procuradoria Geral do Ministério Público, ontem, requerimento pedindo que o órgão tome providências contra a realização do evento, que tem mais de 25 atrações previstas, entre elas Elza Soares e Nação Zumbi.

O promotor Guilherme Graciliano acompanha o caso. Ele solicitou ao Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Meio Ambiente uma vistoria para expedir relatório que servirá de base para a audiência. A inspeção terá acompanhamento da Agência Estadual de Meio Ambiente, por se tratar de área de proteção.

O Fórum Socioambiental alega que o local é “totalmente inapropriado para atividade em foco” e a realização da prévia caracterizaria “crime ligado à poluição sonora”. A entidade usa como argumento a Lei das Contravenções Penais, que tipifica perturbação do trabalho ou do sossego alheio. “Os moradores, fauna e flora atingidos pelo megaevento musical se veem forçados a se submeterem a uma agressão intensa, injusta e ilegal, assistindo, sem proteção por do poder público, a uma interferência abrupta em suas vidas”, diz o texto.

A produção do Guaiamum afirma ter “todas as licenças e autorizações necessárias dos órgãos e autoridades previstos na legislação”. A equipe destacou ter mais de 20 anos de experiência em evento desse tipo e porte, “não havendo registro de incidentes”, segundo nota. “Confiamos em nossa retidão e respeito para com nossos clientes, meio ambiente e legislação, permanecendo à disposição das autoridades, bem como órgãos de Justiça e regulação, para qualquer esclarecimento”, disse o comunicado.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.