• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Tragédia na Tamarineira Ministério Público oferece denúncia contra motorista que provocou colisão fatal João Victor é acusado de matar três pessoas ao dirigir bêbado e provocar um trágico acidente no bairro da Tamarineira

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 07/12/2017 18:45 Atualizado em: 07/12/2017 19:48

O Ministério Público sustenta que houve triplo homicídio (em relação às vítimas fatais) e duas tentativas de homicídio (em relação às vítimas sobreviventes). Foto: Reprodução
O Ministério Público sustenta que houve triplo homicídio (em relação às vítimas fatais) e duas tentativas de homicídio (em relação às vítimas sobreviventes). Foto: Reprodução

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), através da promotora de Justiça Ana Maria Sampaio Barros de Carvalho, ofereceu, na tarde desta quinta-feira, denúncia crime em desfavor de João Victor Ribeiro de Oliveira Leal. Ele matou três pessoas, entre elas uma grávida de quatro meses, ao dirigir bêbado, cortar um sinal a 108km/h e provocar um trágico acidente no dia 26 de novembro, no bairro da Tamarineira, no Recife.

O Ministério Público sustenta que houve triplo homicídio (em relação às vítimas fatais) e duas tentativas de homicídio (em relação às vítimas sobreviventes), incidindo duas qualificadoras de ordem objetivas, pois a prática resultou em perigo comum àqueles que trafegavam naquelas vias públicas, motoristas, motociclistas, ciclistas e/ou pedestres, e impossibilidade  de defesa das vítimas. Consta na denúncia, ainda, agravantes em razão de entre as vítimas haver duas crianças e uma gestante.

Além da denúncia criminal oferecida à Justiça, o Ministério Público se manifestou pela manutenção da prisão preventiva de João Victor Leal, observando que “um automóvel nas mãos do denunciado é um instrumento para a prática de crimes e, deflui do que foi apurado no Inquérito Policial, que se colocado em liberdade, voltará a praticar conduta semelhante, estando vulnerada a Ordem Pública”. Por fim, o MPPE requereu a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação do denunciado e a posterior declaração de inabilitação para dirigir veículo, nos termos do artigo 92, inciso III do Código Penal.

Após o oferecimento da denúncia, sendo esta aceita pelo Poder Judiciário nos termos expostos pelo Ministério Público, tem início a etapa de instrução processual em uma das Varas do Tribunal do Júri da Capital.

Saiba mais
No dia 26 de novembro, o veículo conduzido por João Victor Ribeiro Leal colidiu contra o veículo onde estavam as vítimas Maria Emília Guimarães da Motta Silveira, Roseane Maria de Brito Souza e Miguel Arruda da Motta Silveira Neto, que morreram, além de Miguel da Motta Silveira e Marcela Guimarães da Motta Silveira, que foram vítimas dos homicídios tentados. O acidente ocorreu no cruzamento da Avenida Rosa e Silva com a Rua Cônego Barata.


O teste de alcoolemia de João Victor registrou nível de 1,03 miligrama de álcool por litro de ar, patamar mais de três vezes superior ao limite permitido por lei. No exame pericial realizado no local, os peritos concluíram que no momento dos fatos o carro dirigido pelo acusado estava a 108 km/h, muito superior ao limite definido para a via, que é de 60 km/h, bem como que avançou o sinal vermelho.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.