• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
TRAGÉDIA Ato e missa em memória de Maria Emília e Miguel Neto emocionam no TJPE Servidora pública e outras duas pessoas morreram em acidente de trânsito no último dia 26

Publicado em: 05/12/2017 21:56 Atualizado em: 05/12/2017 22:20

Durante o ato, servidores do TJPE distribuíram rosas, panfletos do Hemope sobre a necessidade de doar sangue, e do Detran que informavam sobre os perigos ao misturar álcool e direção. Foto: Nando Chiappetta/DP (Durante o ato, servidores do TJPE distribuíram rosas, panfletos do Hemope sobre a necessidade de doar sangue, e do Detran que informavam sobre os perigos ao misturar álcool e direção. Foto: Nando Chiappetta/DP)
Durante o ato, servidores do TJPE distribuíram rosas, panfletos do Hemope sobre a necessidade de doar sangue, e do Detran que informavam sobre os perigos ao misturar álcool e direção. Foto: Nando Chiappetta/DP


Amigos da servidora pública Maria Emília Guimarães Motta Silveira, 39 anos, que trabalhavam com ela no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), fizeram um ato de paz no trânsito em frente ao Fórum Paula Batista, na Rua do Imperador, bairro de Santo Antônio, na tarde desta terça-feira. A ação pretendeu chamar a atenção de condutores de veículos sobre as possíveis consequências e a gravidade dos atos de quem dirige alcoolizado. Às 17h30, uma “missa da esperança” foi celebrada por Dom Marcelo no Salão Pleno do Palácio da Justiça. Maria Emília foi morta junto com seu filho Miguel Neto, de apenas três anos, e a babá grávida de três meses Roseana Maria Brito, 23 anos, em decorrência de um crime de trânsito cujo motorista dirigia embriagado e em alta velocidade.

Durante o ato, servidores do TJPE distribuíram rosas, panfletos do Hemope sobre a necessidade de doar sangue e do Detran que informavam sobre os perigos ao misturar álcool e direção. “Depois dessa tragédia, sentimos a necessidade de levantar algumas questões importantes. Por que divulgar a localização de blitzes, ajudando assassinos, traficantes e sequestradores a se livrar da polícia? O que nós podemos fazer para evitar mortes no trânsito? Esse movimento é pela paz, pela justiça e pela vida”, comentou o servidor Marco Albuquerque, um dos organizadores do ato. Marco trabalhava no mesmo departamento de Mila.

Os pais e a irmã da servidora estiveram presentes na ação. Abalados, preferiram não falar com a imprensa. Do hospital, o marido de Maria Emília enviou um buquê de rosas e pediu para que deixassem em cima da mesa onde a esposa trabalhava.
Antes da distribuição das rosas, a cantora Cristina Amaral, sensibilizada pela tragédia, puxou a canção Oração de São Francisco. De mãos dadas, os servidores acompanharam a cantora. “É importante estar presente nesse momento, porque o que aconteceu foi trágico demais. É tanta informação que existe, as pessoas têm que se preocupar, tem que se conscientizar que bebida não combina com direção. Que esse acontecimento, de tantos que acontecem, sirva de exemplo. Existem outros meios de sair para se divertir e beber”, disse Cristina Amaral.

O presidente da Associação dos Servidores do Poder Judiciário de Pernambuco, Roberto Santos, lembrou que esse tipo de tragédia vem como “um tapa na cara de toda a sociedade”. “Essa mobilização é necessária porque é algo que pode acontecer com qualquer um de nós ou com alguém da nossa família. É preciso nos colocar no lugar do outro e refletir sobre as consequências que podem provocar atitudes irresponsáveis”. Maria Emília trabalhava na Diretoria Cível do 2º Grau no Fórum Paula Batista.

RELEMBRE O CASO - Embriagado e em alta velocidade, João Victor Ribeiro de Oliveira Leal colidiu o Ford Fusion contra o RAV4 em que estavam a servidora pública Maria Emília Guimarães, 39 anos, o filho dela, Miguel Neto, 3, e a babá Roseane de Brito, 23, que se encontrava grávida. Os três morreram. Também ocupavam o carro o esposo de Maria Emília e pai de Miguel Neto, o advogado Miguel da Motta Silveira, e a filha do casal, Marcela Motta Silveira, 5. Pai e filha estão internados. O acidente ocorreu na noite do dia 26 de novembro, no cruzamento da Estrada do Arraial com a Rua Cônego Barata.

MISSA
Um clima de emoção e renovação tomou conta do Salão Pleno do Palácio da Justiça, no bairro de Santo Antônio, no início da noite de ontem. Uma Missa da Esperança, celebrada por Dom Marcelo, em memória à servidora pública Maria Emília Guimarães, 39, o filho dela Miguel Neto, 3, e a babá Roseane de Brito, 23, reuniu amigos e familiares. Ao fim da ação litúrgica, balões brancos cheios com gás hélio foram soltos no hall de entrada do Palácio da Justiça, como uma mensagem de paz. A missa contou com a participação especial do coral do TJPE.

Em sua homilia, Dom Marcelo falou sobre a necessidade de seguir em frente, apesar da dor. “A partir de agora, tudo é recomeço. Eu também perdi uma sobrinha em maio deste ano. Fiquei revoltado e com muita raiva. Mas é preciso procurar uma vida espiritual intensa para conseguir resistir à dor e seguir em frente. Vocês precisam fazer isso por Marcelinha e por Miguel. E Deus vai dar sinais”, disse o religioso.

Ele também leu um poema do cordelista Bráulio Bessa, que fala sobre recomeço. Dom Marcelo continuou: “Que neste momento possamos questionar o que estamos fazendo das nossas vidas. Se estamos amando na medida certa para recomeçar e se estamos levando vida ou morte às outras pessoas”. Ao fim da celebração, todos os presentes se abraçaram como um gesto de paz.

BOLETIM
De acordo com o último boletim médico, divulgado na tarde desta terça pelo Hospital Santa Joana, onde os sobreviventes permanecem internados, Marcela Guimarães da Motta Silveira, 5, continua em coma na UTI pediátrica, respirando com ajuda de aparelhos, mas clinica e metabolicamente estável. O pai da menina, Miguel Arruda da Motta Silveira, 46, foi transferido na noite da segunda-feira para a Unidade de Cuidados Especiais (UCE) e encontra-se em reabilitação física, com melhora clínica diária. “Segue consciente, orientado e respirando de forma espontânea”, informou o boletim.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.