• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Investigação Delegado vai ouvir testemunhas e juntar perícias para apurar crime de trânsito na Tamarineira Delegado tem até 10 dias para concluir o inquérito

Por: Thamires Oliveira

Publicado em: 28/11/2017 13:48 Atualizado em: 28/11/2017 14:17

[FOTO1]
A Polícia Civil de Pernambuco iniciou hoje as investigações e coleta de provas contra João Victor de Oliveira, responsável pelo acidente de trânsito que resultou na morte de três pessoas, incluindo uma grávida e deixou outras duas pessoas feridas. Segundo o delegado Paulo Jean, da Delegacia de Polícia de Delitos de Trânsito (DPDT), os próximos passos são a ouvida de testemunhas e a junção das perícias.

A Polícia Civil irá pedir exames toxilógicos para comprovar se houve uso de drogas ilícitas. O resultado será somado ao teste de alcoolemia que comprovou a embreaguez do motorista na noite do acidente. João Victor foi submetido ao teste do bafômetro na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Caxangá, logo após o acidente, no qual foi identificado 1,03 ml de álcool por litro de sangue, valor três vezes superior ao teto da punição administrativa. Durante a audiência de custódia, o universitário confessou também o uso de Rivotril na tarde do domingo.

Câmeras de segurança e do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) também serão utilizadas para desvendar o percurso feito por João Victor no dia do acidente. O delegado Paulo Jean tem até dez dias, contando a partir do domingo do acidente, dia 26, para concluir o inquérito.

Defesa
O advogado que acompanhou João Victor durante o flagrante renunciou ao caso antes mesmo da audiência de custódia. Durante o ato, o universitário foi defendido por um defensor público designado pela justiça, mas que não permanecerá no caso. Segundo esclareceu a Defensoria Pública de Pernambuco, através de nota, o motorista não se encaixa no perfil da defensoria pública, já que a família tem condições financeiras que permitem a contratação de um advogado particular.


Leia na íntegra:

"A Defensoria Pública de Pernambuco informa que assistiu o senhor João Victor Ribeiro Leal, durante Audiência de Custodia, em face da renúncia do advogado constituído, em nome do amplo de direito de defesa que é dado a todo cidadão que, naquela oportunidade, encontrava-se sem assistência jurídica, sendo a Defensora representante da Defensoria Pública, nomeada para aquele ato. No entanto, para a prática de defesa nos demais atos processuais, em virtude da aparente situação econômica e financeira do autuado, este deverá patrocinado por advogado particular".

Entenda o caso:

O trágico acidente aconteceu por volta das 19h30, no cruzamento da Avenida Rosa e Silva com a Rua Padre Roma, no bairro da Tamarineira. Um Ford Fusion, de placas NMN-3336, em alta velocidade, atingiu o carro da família, uma Toyota RAV4, de placas OEZ-4943. Na Central de Flagrantes, o condutor do Fusion, o universitário João Victor Ribeiro de Oliveira, 26 anos, fez o teste de alcoolemia e foi constatado nível 1,03. Após audiência de custódia, já nesta segunda, ele foi autuado em flagrante por duplo homicídio doloso e três lesões gravíssimas e encaminhado ao Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima.

A funcionária pública Maria Emília Guimarães, 29 anos, e a babá que trabalhava para a família, Roseane Maria de Brito, 23 anos, grávida de quatro meses, faleceram na noite do domingo, antes de chegar ao hospital. Na tarde da segunda, o filho mais novo, Miguelzinho, de três anos, veio a óbito durante procedimento cirúrgico para reparar um sangramento no abdômen. Após o falecimento da criança, a tipificação do crime foi modificada para três homicídios dolosos.

Únicos sobreviventes do acidente, o advogado Miguel Mota Filho, 46 anos, e a filha mais velha do casal, Marcela, de cinco anos, permanecem internados no Hospital Santa Joana, no Recife. A menina teve traumatismo craniano grave e permanece em coma e instável. Já o pai, teve traumatismo tóraco-abdominal, passou por procedimentos cirúrgicos e encontra-se estável. O advogado ainda não sabe da morte da esposa e filho e encontra-se sedado por decisões médicas. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.