• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Saúde Mês para lembrar também dos bebês prematuros Ação em hospital infantil do Recife inicia atividades do chamado Novembro Roxo

Por: Samuel Calado

Publicado em: 14/11/2017 16:17 Atualizado em: 15/11/2017 19:06

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
No calendário da saúde do mês de novembro, além do azul - caracterizado pela conscientização, prevenção e combate ao câncer de próstata - existe outra cor que inspira cuidados: o roxo, voltada para a sensibilização sobre os bebês prematuros. O Hospital Infantil Maria Lucinda, no bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife, é referência na temática e promoveu nesta terça-feira (14), o 1º Encontro de Prematuros, abrindo o calendário de ações no mês na capital. 

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Considerada a principal causa da mortalidade infantil nos primeiros anos de vida, a prematuridade - definida quando o bebê nasce com menos de 36 semanas - afeta um em cada dez partos no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
O Novembro Roxo surge como uma forma de lembrar sobre o Dia Mundial da Prematuridade, comemorado no próximo dia 17. A enfermeira e coordenadora da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI-NEO) da instituição, Jackeline Diniz, explica que quanto menor for o bebê, mais risco de mortalidade ele tem. “As complicações podem desencadear infecções nos sistemas do corpo, principalmente no respiratório. Na UTI, os recém-nascidos ficam nas incubadoras por cerca de três meses, onde recebem os cuidados. Nossos profissionais trabalham, sobretudo, com afetividade. Temos a criança, a técnica e a tecnologia, mas a humanização é o fator primordial para que o bebê sobreviva”. 

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Heróis vestidos de técnicos trabalham diretamente com o recém-nascido. Em plantões de 12 horas, eles trocam informações sobre os pacientes e estabelecem as missões durante a jornada de trabalho.

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
As técnicas de enfermagem Maria Eduarda e Emília Vicente contam que tudo é feito com muito carinho. “Nós cuidamos dessas crianças como se fossem os nossos filhos. Ver um deles saindo da UTI com saúde é como vencer uma grande batalha”, comenta Eduarda. “Nossa principal preocupação é passar para o paciente o maior conforto do mundo. Não são nossos filhos de sangue, mas são de coração”, desabafa a colega. 

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
E o resultado desse trabalho de gigantes é possível de ser notado no rosto de cada mãe e pai que estiveram presentes no evento. A dona de casa Kessia Cassiana relata que foi difícil o período em que ela esteve com o filho João Victor internado, mas o cuidado e o apoio dos profissionais trouxeram esperança à família. “Eu passei um mês esperando João chegar e, mesmo com muita gente achando que ele iria morrer, eu persisti. Hoje, ver meu filho sorrindo e com saúde me faz acreditar que o mundo é daqueles que tem fé”. 

Foto: Reprodução/WhatsApp
Foto: Reprodução/WhatsApp
Assim como ela, a administradora Mauriceia Pereira viu o pequeno Davi, nascido aos 6 meses de gestação, sendo segurado pelas palmas da mãos dos técnicos. “Eu nunca pensei que eu fosse perder meu filho e, por mais difíceis que fossem os dias, eu dizia  ‘é só mais um dia e isso vai passar, se Deus me deu é porque eu sou capacitada para criar’”.

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Nem tudo na vida sai como a gente planeja, mas é preciso compreender que nada é por acaso. O microempreendedor Romero Rodrigues, que perdeu a filha nascida aos 5 meses, relata que aprendeu muito com a fatalidade. “Foi um processo doloroso. Nós buscamos forças em Deus. Minha filha veio ao mundo para nos ensinar muita coisa, inclusive a nunca perder a fé, a esperança e a vontade de se renovar sempre. Eu acho que quando a gente pensa em prematuros, pensamos em anjinhos. E as pessoas que cuidam deles são anjos também”. 

Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Foto: Samuel Calado/Esp.DP
Atualmente, a UTI NEO do Hospital Maria Lucinda oferece 10 leitos, sendo seis de neonatal e quatro de pediatria. Pertence a uma rede filantrópica de irmãs católicas. No próximo dia 24, haverá um simpósio para debater prematuridade e melhor assistência para os recém-nascidos. Mais informações pelo (81) 3267-4328. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.