• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Mobilização Centrais sindicais realizam ato contra as reformas na Praça do Derby Manifestantes vão seguir até o Ministério do Trabalho, na Avenida Agamenon Magalhães. Ônibus e metrô funcionam normalmente

Publicado em: 10/11/2017 08:14 Atualizado em: 10/11/2017 12:46

Centrais sindicais realizam ato contra as reformas na Praça do Derby. Foto: Thatiana Pimentel/ DP
Centrais sindicais realizam ato contra as reformas na Praça do Derby. Foto: Thatiana Pimentel/ DP

A Central Única de Pernambuco (CUT-PE), as Centrais Sindicais e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo realizam nesta sexta-feira um ato contra as reformas da Previdência e Trabalhista.
O Dia Nacional de Paralisação denunciam que a  Reforma Trabalhista vai acabar com a proteção ao trabalho, com o décimo terceiro salário, FGTS, férias, cria o trabalho intermitente, cria a figura da pessoa jurídica (PJ) e permite que mulheres lactantes e gestantes trabalhem em locais insalubres. No Recife, a mobilização começou com assembleia geral marcada para às 9h na Praça do Derby, área central do Recife.

Às 11h20, os manifestantes seguiram em passeata até a sede do Ministério do Trabalho, na Avenida Agamenon Magalhães. A caminhada ocupa todas as faixas no sentido Olinda. Na altura do MT, a Agamenon foi interditada nos dois sentidos. O ato foi encerrado por volta das 12h20 e a via foi liberada. De acordo com a Autarquia de Trânsito e Transportes Urbanos (CTTU), parte dos manifestantes seguiu pela Agamenon e parte pela Avenida Conde da Boa Vista. O grupo, liderado pelo Sindicato dos Enfermeiros, seguiu em direção ao Palácio do Campo das Princesas.

Manifestantes seguiram em passeata até a sede do Ministério do Trabalho. Foto: Samuel Calado/ Esp DP.
Manifestantes seguiram em passeata até a sede do Ministério do Trabalho. Foto: Samuel Calado/ Esp DP.


"Estamos aqui para colocar a versão dos trabalhadores. Por isso é muito importante que a gente se mantenha unido. Nós vamos sair daqui com uma agenda conjunta. É possível barrar a reforma trabalhista com campanhas, atos, greves e projetos de leis. Estamos coletando assinaturas, são mais de um milhão, a nossa orientação é que o trabalhador não assine nada. Vamos fazer um ato em Brasília e protocolar o projeto de iniciativa popular. Precisamos de um milhão e trezentas mil assinaturas e com essas ações vamos conseguir. Já articulamos deputados federais para que o projeto possa tramitar de forma rápida. Não vamos essas mudanças na previdência. O governo tem que cobrar as grandes empresas e fazer formas de organização mais eficaz", pontuou esta manhã Carlos Veras, presidente da CUT em Pernambuco.

"Estamos aqui para colocar a versão dos trabalhadores", disse Carlos Veras, presidente da CUT em Pernambuco. Foto: Samuel Calado/ Esp DP.
"Estamos aqui para colocar a versão dos trabalhadores", disse Carlos Veras, presidente da CUT em Pernambuco. Foto: Samuel Calado/ Esp DP.


Também presente ao ato, Áureo Cisneiros, presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) acrescenta: "Somos contra as reformas criminosa do governo Temer, inclusive acreditamos elas afetam a segurança pública. A partir do momento que aumenta o desemprego, a falta de oportunidade e as desigualdades. Aumenta a violência".
 
Não há informação sobre fechamento de vias e o sistema público de transportes funciona sem interrupções. Os ônibus vão circular normalmente durante o dia de hoje. De acordo com o Sindicato dos Rodoviários, apenas os motoristas de folga foram orientados a participar do ato. O Sindicato dos Metroviários não anunciou paralisação e, de acordo com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), o metrô opera normalmente.Os bancos também funcionam nornalmente. No entanto, o Sindicato dos Bancários realiza um protesto até o meio dia de hoje na agência da Caixa Econômica Federa, da Ilha do Leite, no Recife.


 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.