• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Tragédia Feriado em condomínio de Serrambi termina com duas pessoas assassinadas e um suicídio Fotógrafo teria assassinado ex-companheira e sogro, atirado na sogra e se matado em seguida

Publicado em: 12/10/2017 21:54 Atualizado em: 13/10/2017 00:38

Paula teria acabado o relacionamento, o que gerou revolta do ex-companheiro. Foto: Reprodução/Facebook
Paula teria acabado o relacionamento, o que gerou revolta do ex-companheiro. Foto: Reprodução/Facebook

A noite desta quinta-feira (12) terminou em tragédia em um imóvel localizado no Condomínio Enseadinha, em Serrambi, praia de Ipojuca. De acordo com testemunhas, um homem, não aceitando o fim do relacionamento, teria matado a ex-companheira, o sogro e atirado na sogra, que teria sobrevivido à tentativa de homicídio. Em seguida, ele teria cometido suicídio. O crime ocorreu por volta das 20h. 

As duas vítimas fatais são Ênio Régis, de 58 anos, com um tiro no pescoço, e a estudante Paula Régis, de 20 anos, com dois tiros na cabeça. A sogra, única sobrevivente, é Suzana Régis, que foi atingida por um tiro de raspão, foi socorrida pela ambulância do posto de saúde de Serrambi e levada para o Hospital Dom Helder Câmara. A família morava em Ipojuca. O autor do crime e suicida seria o fotógrafo Paulo Robert, de 30 anos, morador de Nossa Senhora do Ó. Ele se matou com um tiro na cabeça. Os corpos foram encontradosna cozinha da casa.

A equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) chegou ao local por volta das 22h30, junto com o Instituto de Criminalística (IC), realizando as primeiras investigações e coleta de provas. 

De acordo com informações do 18º batalhão da Polícia Militar, a causa do crime teria outra versão: os pais não aceitariam o relacionamento entre Paulo Robert e Paula. A Polícia não encontrou veículo na casa que poderia ter sido usado por Paulo Robert, o que mostra que ele deve ter chegado andando ao local. A arma utilizada seria um revólver calibre 38. O irmão do suspeito do crime chegou ao local, mas precisou aguardar fora da casa enquanto a perícia era concluída. Ele não quis conversar com a imprensa. 

Paula Régis já atuou em movimentos de proteção à natureza, principalmente contra a derrubada de coqueiros nas praias Serrambi e Porto de Galinhas, em Ipojuca. Nas redes sociais das vítimas, amigos se despedem e lamentam o ocorrido. "Minha amiga, você se foi sem dizer adeus. Mas iremos nos lembrar do seu jeito alegre, meigo e carinhoso. Só nos resta oramos, para que Deus console os corações dos familiares e amigos", disse um amigo no perfil de Paula, na rede social Facebook.


 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.