• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
POLÍCIA Suspeito de estuprar crianças de abrigo embebedava e drogava as vítimas Ele, no entanto, nega as acusações e se diz altruísta

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 11/10/2017 18:23 Atualizado em: 11/10/2017 19:04

O mandado de prisão foi cumprido pelo Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente na última segunda. Foto: Polícia Civil/Divulgação (O mandado de prisão foi cumprido pelo Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente na última segunda. Foto: Polícia Civil/Divulgação)
O mandado de prisão foi cumprido pelo Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente na última segunda. Foto: Polícia Civil/Divulgação


Um homem suspeito de embebedar, drogar e estuprar crianças salvaguardadas de uma casa de acolhimento, sob tutela do Governo de Pernambuco, no bairro da Madalena, no Recife, foi preso em ação do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA). A Secretaria de Desenvolvimento Social Criança e Juventude acionou a polícia para investigar a fuga constante de alguns atendidos pelo sistema. Durante a ouvida qualificada dos assistidos, foi descoberto que eles estavam indo para a residência de Luiz Carlos Germany de Santana Fischer, o Jeti, de 29 anos. Eles narraram os crimes cometidos pelo suspeito. Um adolescente, que testemunhou Luiz Carlos despindo e abusando de uma criança, chegou a ser espancado e ameaçado de morte para não contar o que viu.

"As crianças pulavam o muro e voltavam de madrugada ou no dia seguinte para o abrigo. Elas contaram com riqueza de detalhes quando iam para a casa desse indivíduo e ele dava bebida alcoólica e, às vezes, drogas para elas. Após fornecer esse tipo de substância, abusava", esmiuçou o delegado Darlson Macedo, gestor da DPCA. Luiz Carlos foi indiciado por estupro de vulnerável e por fornecer bebidas e drogas para duas meninas de dez anos, que não têm relação de parentesco. O abuso foi comprovado através de exames sexológicos. As penas somadas podem chegar a 19 anos. 

Luiz Carlos Germany ainda é investigado por lesão corporal e ameaça contra uma testemunha dos abusos. Foto: Polícia Civil/Divulgação (Luiz Carlos Germany ainda é investigado por lesão corporal e ameaça contra uma testemunha dos abusos. Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Luiz Carlos Germany ainda é investigado por lesão corporal e ameaça contra uma testemunha dos abusos. Foto: Polícia Civil/Divulgação
Além do inquérito das meninas, o homem ainda está sendo investigado pelo suposto estupro de uma terceira vítima, também do abrigo, e pela lesão corporal contra a testemunha dos abusos. A princípio, a testemunha chegou a dizer que tinha sido atropelada, mas depois denunciou o abusador e falou sobre a agressão sofrida. O mandado de prisão preventiva foi expedido pela 1ª Vara dos Crimes Contra a Criança e Adolescente da Capital e foi cumprido pela delegada Cammilla Lydia, na última segunda-feira.

Ao prestar depoimento, o suspeito negou todas as acusações. "Ele nega os crimes, mas admite que as crianças iam para a casa dele. Disse que elas ficavam lá e ele dava comida e refrigerante. Diz ser altruísta, mas o depoimento dele não se sustenta", pontuou Darlson Macedo.

NEGLIGÊNCIA
As crianças da casa de acolhimento estão em processo de destituição do pátrio poder familiar, ou seja, já foram vítimas de uma conduta imprópria dos pais. Não estão em conflito com a lei, tampouco em situação de internamento. Elas ficam no espaço até encontrarem um lar substituto na casa de um familiar ou entrarem em processo de adoção. Sobre as constantes fugas do abrigo, a Polícia Civil adiantou que deve ter alguma falha no processo de segurança do local. "Vamos ter que analisar em que circunstâncias ocorreram as fugas aprofundando a investigação para saber se há conduta criminosa por parte de quem deveria zelar pela integridade das crianças", concluiu.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.