• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Jardim Fragoso Moradores abandonam prédio com rachaduras em Olinda Acidentes envolvendo edifícios do tipo caixão já deixaram 11 pessoas mortas e outras três feridas em Pernambuco

Publicado em: 12/09/2017 11:30 Atualizado em: 12/09/2017 11:44

Moradores de Edifício Ana Flávia, localizado na Rua Perspectiva, nas imediações da Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso), bairro de Jardim Fragoso, em Olinda, estão deixando os apartamentos. A medida está sendo tomada espontaneamente pelas famílias, após o surgimento de rachaduras entre o teto do segundo e o piso do terceiro pavimento do edifício. Dos 12 apartamentos, apenas quatro permanecem ocupados.

Temerosos, os moradores alegam que acionaram a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) na semana passada, mas não foram atendidos até o momento. As famílias alegam que, anteriormente, o órgão havia solicitado uma reforma no prédio, parcialmente realizada.


A Prefeitura de Olinda informou que não foi acionada, mas adiantou que vai enviar uma equipe ainda nesta terça-feira para verificar a situação do imóvel e a necessidade da realização de um laudo técnico para apurar possíveis riscos.

Edifício Agave, que desabou parcialmente em agosto passado, deve ser demolido. Foto: Foto: Shilton Araújo/ Esp DP
Edifício Agave, que desabou parcialmente em agosto passado, deve ser demolido. Foto: Foto: Shilton Araújo/ Esp DP

Outro caso - O Edifício Agave, no bairro Jardim Fragoso, Olinda, que desabou parcialmente em agosto passado, deve ser demolido. A indicação foi feita pelo laudo da Defesa Civil do município. O documento foi encaminhado para a Procuradoria Geral de Olinda. Caberá ao órgão agilizar junto ao Judiciário o processo de demolição da edificação.

A inspeção apontou que o acidente foi causado por um problema no solo. O acúmulo de água fez o piso afundar, provocando danos às fundações do imóvel, que afundou dois metros”. Por enquanto, a Defesa Civil não solicitou intervenções nos imóveis vizinhos, mas reforçou a necessidade de manter segurança no entorno do prédio para evitar que os ex-moradores entrem no imóvel para recolher pertences. O risco de desabamento total é alto.

A situação dos edifícios do tipo caixão é grave em Pernambuco. Acidentes envolvendodo este tipo de edificação já deixaram 11 pessoas mortas e outras três feridas no estado.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.