• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Todos com David Pernambucano faz campanha para fazer transplante de intestino nos EUA Para conseguir o dinheiro necessário, foram abertas três contas para receber doações

Publicado em: 14/07/2017 17:17 Atualizado em: 14/07/2017 18:40

O auditor permanece internado e só se alimenta pea veia. Foto: Arquivo Pessoal.
O auditor permanece internado e só se alimenta pea veia. Foto: Arquivo Pessoal.
Parentes e amigos de um auditor de 35 anos estão realizando uma campanha pelas redes sociais para salvar a vida dele. De acordo com a família, David Nilo da Silva precisa ser submetido a um transplante de intestino nos Estados Unidos. As despesas estão avaliadas em R$ 5 milhões.

Para conseguir o dinheiro necessário, foram abertas três contas para receber doações. A campanha também está sendo feita pelas redes sociais, nas páginas Todos Com David, no Facebook, e @todoscomdavid, no Instagram.

A família também está dando entrada em uma ação judicial para conseguir ajuda do governo no custeio do tratamento. Segundo a esposa de David, a assistente financeira Isabella Protásio, eles estão seguindo o mesmo caminho foi trilhado por outro pernambucano que fez transplante no mesmo hospital em Miami: o estudante Weverton Gomes, de Vitória de Santo Antão.

“Nunca pensamos que um dia passaríamos por um momento desse, mas temos certeza que para Deus nada é impossível e que logo logo nossa vida voltará ao normal”, disse Isabella.

Entenda
A isquemia intestinal, como outras isquemias, tais como derrame (cérebro) e infarto (coração), ocorre pela falta de sangue no órgão. Geralmente, é ocasionado por doenças como diabetes e hipertensão ou por maus hábitos, como fumo. Por isso, são mais comuns em idosos.

Após a perda do intestino, existem dois caminhos: conviver com a nutrição pela veia (uma vez que há a falência do órgão e a alimentação pela boca fica inviável) ou fazer o transplante. No Brasil, não há um protocolo do Ministério da Saúde para a relização do transplante em território nacional, por isso, é preciso recorrer a hospitais do exterior. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.