• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Centro do Recife Operação apreende mais de 1,5 mil caixas de som via bluetooth pirateadas

Por: Thamires Oliveira

Publicado em: 14/07/2017 11:20 Atualizado em: 14/07/2017 15:59

Operação apreende mais de mil caixas de som via bluetooth pirateadas. Foto: Júlio Jacobina/DP
Operação apreende mais de mil caixas de som via bluetooth pirateadas. Foto: Júlio Jacobina/DP

A Polícia Civil de Pernambuco apreendeu na manhã dessa sexta-feira, no Centro do Recife, mais de 1,5 mil caixas de som via bluetooth pirateadas. O material estava sendo comercializado em lojas localizadas na Rua Tobias Barreto, no Bairro de São José. A operação aconteceu após uma denúncia formalizada pela empresa JBL, fabricante das caixinhas de som original, para Delegacia de Crimes contra a Propriedade Imaterial de Pernambuco. 

Em duas das lojas vistoriadas, a Tele Midia e a Alci Cell, a polícia encontrou uma pequena quantidade do material, que foi apreendido e levado para a delegacia. Já na loja J.L. Variedades, foram apreendidas mais de mil unidades. Segundo a delegada Wedja Andrade, responsável pela operação, a suspeita é de que a loja estivesse fazendo a distribuição dos produtos no centro de Recife.

O material apreendido foi levado a delegacia e passará por pericia junto ao Instituto de Criminaística para confirmar a falsificação. Os donos das lojas serão intimados a depor e deverão responder aos crimes contra o consumo e contra propriedade imaterial, podendo pegar até sete anos de prisão.

O proprietário da loja J.L. Variedades, o chinês Jiale Wei, de 44 anos, não quis falar com a imprensa, mas segundo a delegada, ele afirmou não ter conhecimento sobre a proibição de vendas de réplicas no Brasil. “Nessa loja a quantidade expressiva de caixas demonstrou que ele era o distribuidor da área. O dono disse que achava que poderia vender as réplicas. Mas é bom esclarecer que também é proibido”, afirmou.

As réplicas estavam sendo comercializadas entre R$ 45 e R$ 55, enquanto a original custa cerca de R$ 400. Depois de passar por perícia, se confirmada a falsificação, o material será destruído pela Polícia Civil.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.