• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Paralisação Motoristas e cobradores da empresa de ônibus Caxangá voltam ao trabalho

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 12/04/2017 08:31 Atualizado em:

O motoristas e cobradores da empresa de ônibus Caxangá voltam ao trabalho nesta quarta-feira. Em reunião com o setor jurídico da empresa, na tarde de ontem, o Sindicato dos Rodoviários obteve acordo para avaliação da pauta de reivindicação, incluindo interrupção nas demissões de cobradores e despachantes. A conversa será formalizada em audiência no Ministério Público do Trabalho. As linhas transportam 240 mil passageiros todos os dias.

Pela manhã, houve manifestação e tumulto em frente à garagem, em Peixinhos, Olinda. A confusão começou às 6h30, quando um ônibus da linha Sítio Novo/Rio Doce teve a saída impedida por manifestantes, levou pedradas e foi reconduzido à garagem, que teve o portão fechado. Durante a madrugada, no entanto, alguns ônibus circularam normalmente. A frota soma 490 coletivos e, de acordo com o sindicato, 15 circularam ontem de manhã.

Uma reunião foi marcada para ontem na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, mas não ocorreu. “A categoria não quis participar para não enfraquecer a mobilização. O advogado da empresa também estava na garagem e conversamos lá mesmo durante o ato”, disse Benilson Custódio, presidente do Sindicato dos Rodoviários.

“Eles se comprometeram a pagar os dias parados e não demitirem mais cobradores nem despachantes. Também se disponibilizaram a discutir os outros temas da pauta e dar gratificação a quem for trabalhar amanhã (hoje). Acredito que os carros devam sair. Se não todos, muito mais do que os 30% exigidos pela Justiça”, ponderou.

Os motoristas e cobradores suspenderam as atividades na segunda-feira. O ato teve objetivo de denunciar demissões entre janeiro e março. De acordo com o Sindicato dos Rodoviários, os cobradores são os mais afetados, desde o início do processo de implantação de linhas exclusivamente com o uso do cartão VEM.
Outro problema seria o desvio de função, uma vez que motoristas e cobradores estariam sendo obrigados a vender cartões em terminais. A categoria denuncia ainda o aumento da violência no transporte público. Com 1,9 mil funcionários, a empresa opera 54 linhas que realizam 3.580 viagens por dia útil.

O Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE) lembrou que “a Justiça do Trabalho determinou que o Sindicato dos Rodoviários se abstenha de impedir o regular funcionamento da Rodoviária Caxangá e garanta percentual mínimo de 30% do efetivo, a fim de assegurar o regular funcionamento da empresa operadora de transporte público”.

A Caxangá informou que nenhum cobrador foi demitido em função das alterações na operação. “Os cobradores foram capacitados e aproveitados em outras funções. Em abril, 17 foram promovidos a motoristas. A empresa reforça que não foi informada com antecedência sobre a paralisação e está se esforçando para normalizar as atividades o mais rápido possível. A Rodoviária Caxangá esclarece ainda que se dispôs a manter o diálogo com o Sindicato dos Rodoviários. No entanto, esse não demonstrou interesse em realizar qualquer negociação”, respondeu, por nota.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.