• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Personagem Aposentado faz sucesso nas redes sociais com música sobre bairros do Grande Recife Natural da cidade de Alhandra, na Paraíba, o ex-agricultor e ex-comerciante hoje é reconhecido por onde passa

Por: Wagner Oliveira - Diario de Pernambuco

Publicado em: 20/03/2017 10:40 Atualizado em: 20/03/2017 11:02

Até os 23 anos de idade, o então agricultor Severino Francisco Bernardo não conhecia o Recife. Chegou à capital pernambucana já homem feito. Deixou seus pais e outros parentes para trás e veio sozinho tentar a sorte na cidade grande. Nascido no município de Alhandra, no estado da Paraíba, Severino conta que quando ouvia falar no Recife, as pessoas lhe diziam, em tom de brincadeira, que a cidade havia começado a partir de duas casas: Casa Amarela e Casa Forte. “Como eu nunca tinha vindo no Recife, não sabia de nada que tinha pelo lado de cá. E as pessoas mais velhas da minha cidade sempre falavam dessa história das duas casas. Quando finalmente eu saí de Alhandra para morar no Recife, continuei com essa história na cabeça. Depois de muitos anos, acabei fazendo uma música onde falo de vários bairro do Recife e de outras cidades”, explicou o compositor.

Depois de trabalhar por duas semanas em uma transportadora no Recife e ganhar pouco menos do que recebia com o serviço na roça em Alhandra, o paraibano decidiu trabalhar por conta própria. “Eu pedi minha carteira de trabalho e não voltei mais para a empresa. Fui vender milho e amendoim e foi assim que eu sustentei minha família. Nesses 32 anos que passei como comerciante no Recife conheci muita gente e também muitos lugares. Mesmo sem saber ler e escrever, eu gostava de inventar músicas. Alguns amigos achavam as canções bonitas e a gente chegou a gravar várias delas. Hoje, tenho 19 músicas feitas por mim”, contou. Apesar de se chamar Severino, ganhou o apelido de Silva e como nasceu em Alhandra, o nome da cidade acabou sendo incorporado ao apelido. Daí nasceu o nome artístico Silva Alhandra, como ele é conhecido.

Entre as 19 músicas que seu Silva tem gravadas, a denominada Guia histórico do Recife é a de maior sucesso. A criação é do ano de 2001, mas ganhou destaca recentemente após a publicação de um vídeo nas redes sociais onde Silva aparece cantando a letra do que ele afirma ser “um pouquinho da história do Recife”. O que ele e a família não esperavam é de que a gravação fosse repercutir tanto depois de tantos anos da criação da música. “Fiz esse negócio como uma brincadeira e já faz muitos anos. Na época, meus amigos acharam engraçado. Nem pensava que essa música pudesse voltar a fazer sucesso. Antes do carnaval fui num armazém perto da minha casa e o dono pediu para eu contar a história do Recife. Então, o filho dele pegou o celular, gravou e botou na internet”, comentou seu Silva.

Entre os bairros recifenses que aparecem na rima do paraibano estão Arruda, Encruzilhada, Imbiribeira, Jordão, Santa Luzia, Macaxeira e muitos outros. O passeio musical também destacou bairros das cidades de Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Olinda. De maneira divertida, seu Silva canta sua música em quase todos lugares onde chega. “As pessoas agora falam comigo em todo canto”, destacou.
Aposentado faz sucesso nas redes sociais cantando música sobre bairros do Grande Recife. Foto: Anderson Freire/Esp.DP
Aposentado faz sucesso nas redes sociais cantando música sobre bairros do Grande Recife. Foto: Anderson Freire/Esp.DP

Pai de 13 filhos, seu Silva já tem 17 netos e quatro bisnetos. Depois de morar nos bairros de Afogados, Nova Descoberta, Águas Compridas e Dois Unidos, todos no Recife, mudou-se para Camaragibe. Atualmente, ele mora no bairro de Tiúma, em São Lourenço da Mata. “Eu sempre gostei muito do Recife. Logo quando eu cheguei aqui, ficava encantado com as vitrines das lojas. Eu gostava de ir ao cinema com a minha família e depois ficava olhando as lojas. Só era meio ruim porque eu não sabia ler nada. Até as minhas músicas eram outras pessoas que escreviam. Eu criava, cantava, mas não sabia escrever. Hoje isso mudou. Com o apoio do meu genro, comecei a estudar e agora já sei ler”, revelou seu Silva.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.